Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Operador do PMDB distribuiu US$ 8 milhões na Petrobras, segundo delator

Lobista Fernando Baiano está entre os alvos da sétima fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta sexta-feira. PF já acionou a Interpol para localizá-lo

Apontado como operador do PMDB no esquema do petrolão, o lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, é acusado de ter distribuído 8 milhões de dólares em propinas à diretoria Internacional da Petrobras. Ele está entre os alvos da sétima fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta sexta-feira. Nesta etapa, a Polícia Federal prendeu executivos de empreiteiras e o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, apontado como operador do PT no esquema.

Leia também:

PF prende afilhado de Dirceu e executivos de empreiteiras

Saiba quais são as empreiteiras na mira da PF

Cunhada de tesoureiro do PT é alvo de operação da PF

As investigações apreenderam papéis, documentos e planilhas com menções a pagamentos e dívidas das empresas a Fernando Soares associados a datas, sem especificar o ano. No total, os apontamentos indicam valores de 2,1 milhões de reais. Além desses valores, trechos do depoimento do executivo da Toyo Setal Julio Camargo descrevem a distribuição de propinas na diretoria internacional.

O depoimento é citado no despacho em que o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, autoriza as operações de busca e apreensão da Operação Lava Jato, deflagrada nesta sexta. O relatório foi elaborado a partir dos depoimentos das delações premiadas, dados de sigilo bancário e fiscal, além das investigações do Ministério Público Federal. “Júlio Camargo ainda relata, em detalhes, episódio de pagamento de propinas por intermédio de Fernando Soares à Diretoria Internacional da Petrobras, na aquisição de sondas de perfuração pela Petrobras, inclusive revelando a forma de pagamento e a utilização por Fernando Soares, para recebimento de saldo de oito milhões de dólares em propina, das contas das empresas Techinis Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Hawk Eyes Administração de Bens Ltda”.

Ainda de acordo com o relatório, o ex-diretor Paulo Roberto Costa, e o doleiro Alberto Youssef”declararam que o mesmo esquema criminoso que desviou e lavou 2% ou 3% de todo contrato da área da Diretoria de Abastecimento da Petrobrás também existia em outras diretorias”, citando as áreas de Serviços, ocupada por Renato Duque, e na área Internacional, dirigida por Nestor Cerveró. “Nestes desvios, atuavam outros operadores que não Alberto Youssef. “Fernando Soares, vulgo Fernando Baiano, estava encarregado da lavagem e distribuição de recursos para agentes públicos relacionados ao PMDB”, indica o relatório.

Em um trecho do depoimento de Alberto Youssef, o doleiro teria dito que “Fernando Soares operava com Paulo Roberto Costa, para o PMDB, e tinha quem operava a área de navios, que era o seu genro. E tinha um outro que se chamava Henry, que operava para o Partido Progressista”.

Soares foi procurado pela PF nesta manhã, mas não foi localizado. A polícia já o incluiu na lista de procurados. Além da prisão, ele teve bloqueados os ativos de duas empresas que estariam em seu nome. Elas são localizadas em Ribeirão Pires (SP) e no Rio de Janeiro. “A investigação revelou modus operandi consistente na utilização de empresas de consultoria para recebimento de propina”, diz o relatório do juiz Sergio Moro.

De acordo com as investigações, há registros de fronteira indicando que Soares esteve fora do país durante todo o mês de outubro, com intervalo entre 24 e 27 de outubro. Segundo os investigadores há indícios de que as viagens foram “motivadas por receio do processo”.

(Com Estadão Conteúdo)