Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministra dos Direitos Humanos pede que prefeito de Coari seja afastado do cargo

Maria do Rosário pretende que o processo contra Adail Pinheiro, acusado de pedofilia, seja transferido para a Justiça Federal; há denúncias de coação de testemunhas

A ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos, vai solicitar ao Ministério Público Federal que os processos que citam o prefeito de Coari (AM), Adail Pinheiro, em casos de pedofilia sejam transferidos da Justiça do Amazonas para a Justiça Federal. A medida visa garantir celeridade ao processo. A ministra pretende ainda solicitar ao Judiciário que o prefeito seja afastado de suas funções. Em denúncias feitas pelo programa Fantástico, da Rede Globo, Pinheiro é acusado de abusar sexualmente de crianças e adolescentes. Ele teria ainda usado um avião da prefeitura para promover festas com jovens da cidade e aliciar menores. Um barco teria sido o local de encontros entre o prefeito e meninas com idades entre 13 e 14 anos.

A decisão da ministra foi anunciada na terça-feira durante reunião com membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, integrantes do judiciário e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Brasília.

Leia mais:

Prefeito de Coari usava avião da prefeitura para realizar festas com menores

PRP vai abrir processo disciplinar contra prefeito de Coari (AM)

Coari (AM) terá programa para prevenção da violência sexual contra crianças

Maria do Rosário afirma que o afastamento do prefeito faz-se necessário uma vez que ele pode ameaçar testemunhas e vítimas envolvidas nos casos de violência e exploração. A Secretaria de Direitos Humanos recebeu denúncias de que parentes de vítimas estariam sendo perseguidas, dentro e fora de Coari.

“Existem muitos desafios que precisam ser enfrentados. Temos preocupações nesse momento. Entre elas, a morosidade do Poder Judiciário na resolução dos problemas. Tivemos várias demonstrações do poder judiciário, ou ausência de atitude, que nos levam e nos fazem ter a certeza de que há um processo de morosidade que é extremamente nocivo”, disse a deputada Erika Kokay (PT-DF), presidente da CPI.

A deputada acredita que a permanência de Pinheiro no cargo pode influenciar testemunhas e o andamento das investigações. “Também solicitamos o afastamento preventivo do prefeito de Coari. Há várias denúncias de ameaças a testemunhas, ameaças contra a própria CPI. Segundo denúncias da sociedade civil, ele [Pinheiro] tem impedido que programas de proteção atuem no município. Do ponto de vista do processo, para assegurar a lisura, é importante que nós possamos afastar o prefeito. Há evidencias muito claras do uso do poder de prefeito para impedir os trabalhos de investigação”, disse.

Prisão – O prefeito do município de Coari responde a dezenas de processos na Justiça do Amazonas e foi alvo de uma CPI da Câmara dos Deputados, que investiga envolvimento em suposta rede de pedofilia. Por meio de sua assessoria, o prefeito nega as acusações de envolvimento em casos de pedofilia. Em 2009, o prefeito foi preso pela Polícia Federal após ter sido denunciado pelo Ministério Público do Amazonas por exploração sexual infanto-juvenil e favorecimento à prostituição.