Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maia: ‘Ninguém poderá questionar rito da votação da denúncia’

Líder do PT na Câmara, o deputado Carlos Zarattini (SP) disse que entrará na Justiça para questionar o rito estipulado pelo presidente da Casa

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), entrou no plenário da Casa e disse, ao passar pelo Salão Verde, que “ninguém poderá questionar o rito” da votação da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), esperada para ocorrer nesta quarta-feira. Maia voltou a afirmar que a votação só começará quando houver um quórum de 342 deputados no plenário.

“Essa era uma dúvida que o próprio governo tinha e agora, até mesmo a oposição está se valendo deste número para fazer a sua obstrução. Ninguém poderá questionar o rito da votação de hoje”, afirmou.

Líder do PT na Câmara, o deputado Carlos Zarattini (SP) declarou que entrará na Justiça para questionar o rito estipulado por Maia. A reclamação do petista é de que não houve espaço para o contraditório no início da sessão. O deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) leu o relatório que pede o arquivamento da denúncia e que foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Em seguida, o advogado Antonio Claudio Mariz de Oliveira fez a defesa do presidente diante dos deputados. 

“Vamos entrar na Justiça para ter o direito de fazer o contraditório”, afirmou Zarattini. “Hoje será o dia da derrota de Temer, que está desgraçando o país.”

Deputados de oposição dizem que não darão quórum durante o dia para forçar que a votação da denúncia aconteça à noite, quando os índices de audiência das transmissões televisivas costumam aumentar. Há o entendimento de que quanto mais espectadores, maior será o constrangimento e a pressão sobre os deputados da base governista que defenderão Temer no plenário da Câmara. Cada parlamentar terá de registrar o seu voto nominalmente.

(Com Estadão Conteúdo)