Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ex-ministros tentam abocanhar estatais e autarquias

Descartados do primeiro escalão por Dilma, César Borges, Miriam Belchior, Neri Geller e Paulo Sérgio Passos buscam controle dos maiores orçamentos

Deixados de lado na reforma ministerial do segundo governo Dilma Rousseff, ex-ministros tentam se viabilizar para ocupar cargos em estatais e autarquias controladas pelo Palácio do Planalto. Pelo menos quatro deles buscam se recolocar na Esplanada: César Borges (ex-Portos), Miriam Belchior (ex-Planejamento), Neri Geller (ex-Agricultura) e Paulo Sérgio Passos (ex-Transportes).

Geller disputa o comando da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), cujo orçamento para 2015 soma 3 bilhões de reais. A empresa é responsável por leilões de compra de alimentos e o repasse de subsídios a agricultores familiares. A capilaridade das ações da empresa é o que torna a estatal cobiçada por diversos partidos. Não é à toa que a Conab está loteada atualmente entre PT, PMDB, PROS e PTB.

Leia também:

Agora ministro, Kassab inventa o ‘apoio divergente’

‘Não aceitarei provocação’, diz Kátia Abreu em posse

Ministro dos Transportes diz não se preocupar com a Lava Jato

Ele deixou o ministério depois que Dilma optou pela senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) para comandar a Agricultura. Geller agora quer o apoio do seu partido para presidir a Conab. A sigla ocupa a diretoria menos expressiva da companhia atualmente, a de Recursos Humanos, e busca espaços mais importantes na estatal. Os peemedebistas estão de olho na Diretoria de Operações e Abastecimento, controlada hoje pelo PROS.

O ex-ministro, contudo, terá de negociar com Kátia Abreu para se fortalecer para a vaga. Nos bastidores, comenta-se que Geller e Kátia não se falam. A relação entre eles esfriou depois da indicação da peemedebista para o ministério. Geller chegou a faltar na posse de Kátia como presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), no dia 15 de dezembro.

Já César Borges (sem partido) é cotado para administrar a Empresa Brasileira de Logística (EPL), criada pelo governo para desenvolver projetos de infraestrutura. Ele foi ministro dos Transportes e dos Portos no primeiro mandato Dilma, mas perdeu força no PR, sigla que abandonou no ano passado.

O ex-titular de Transportes Paulo Sérgio Passos (PR) pode ir para o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Ele negocia a mudança com o PR, do qual é filiado. Em 2014, o Dnit administrou 13,3 bilhões de reais do orçamento global de 20,7 bilhões de reais destinado aos Transportes.

A ex-ministra do Planejamento Miriam Belchior (PT) também deve assumir um posto estratégico fora da Esplanada dos Ministérios. Ela é cotada para a Caixa Econômica Federal, em substituição ao atual presidente do banco, o baiano Jorge Hereda, indicado pelo atual ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT).

(Com Estadão Conteúdo)