Estado brasileiro, um gigante gastador

A cada ano, aproximadamente 92% dos gastos do governo federal – excluindo-se pagamento de dívidas e transferências – são engolidos pelas engrenagens do estado brasileiro. De cada cem reais, 25 são destinados ao pagamento de pessoal e outros 67, ao custeio da máquina – despesas que vão do cafezinho servido nas repartições públicas à gasolina que move os veículos de autoridades. Para investimentos em infra-estrutura, saúde, ciência etc., sobram apenas 8%.

Outra demonstração de como a máquina drena os recursos do país está nas estatísticas levantadas pelo professor de finanças públicas Ricardo Bergamini. De janeiro de 2003 até abril deste ano, o gabinete da Presidência da Republica desembolsou 23,4 bilhões de reais. A quantia superou os gastos individuais de oito ministérios: Orçamento e Gestão, Relações Exteriores, Indústria e Comércio, Meio Ambiente, Comunicações, Esportes, Cultura e Turismo.

Este é o retrato das contas públicas brasileiras. Durante esta semana, VEJA.com vai analisá-lo a fundo, ouvindo especialistas e as campanhas presidenciais, para saber, afinal, que Brasil os candidatos pretendem construir nos próximos quatro anos.

Você também pode participar, dizendo o que pensa sobre o assunto. Deixe sua opinião na área de comentários desta página e participe da enquete a seguir.

O que o próximo governo deve fazer em relação ao tamanho do estado?

  • Aumentá-lo, ampliando programas sociais e estatais
  • Mantê-lo do tamanho atual
  • Reduzi-lo, para aumentar sua eficiência
  • Reduzi-lo ao mínimo possível

Ver resultado

Loading ... Loading … ..