Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘É preciso perceber a cadeira ocupada’, diz Marco Aurélio sobre laços entre ministros e empreiteiro

Polícia Federal descobriu mensagens trocadas entre executivo da OAS e ministro do STJ. Dias Toffoli, do STF, também é citado

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, falou nesta sexta-feira sobre os laços impróprios do colega de corte Dias Toffoli com o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS. Reportagem de VEJA revela que a Polícia Federal descobriu mensagens de texto trocadas entre o executivo e o ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça. Em outros diálogos, há menções do executivo a Toffoli – inclusive uma mensagem que cita um presente de aniversário ao magistrado. Para Marco Aurélio, integrantes de cortes superiores devem “perceber a cadeira ocupada” e evitar relacionamentos que possam deixá-los “mal na fotografia”. Nesta semana, Toffoli deu um dos votos que permitiu a libertação de Léo Pinheiro da cadeia, em um julgamento que terminou com um placar de 3 a 2.

Leia também:

PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

Os favores do empreiteiro

Lava Jato: STF manda soltar dono da UTC e mais 8 empreiteiros

Marco Aurélio lembra que integrantes do Judiciário precisam agir com cautela e parcimônia. “Não estamos impedidos de nos relacionar com pessoas que ainda não tenham caído em desgraça. O problema é que, posteriormente, quando há um problema como houve com o pessoal da OAS, você acaba saindo mal na fotografia”, afirma, antes de completar: “A leitura que o contribuinte faz é péssima”.

Uma das mensagens obtidas pela Polícia Federal mostra o executivo pedindo uma reunião para obter “conselhos” do ministro Benedito Gonçalves, que cinco dias depois deu um voto decisivo em favor da OAS. Para Marco Aurélio, há um comportamento inadequado. “Juiz não dá conselho a quem quer que seja. Juiz não é consultor. Aí que está o problema. Nós temos que perceber a cadeira ocupada”, afirma.

Ainda comentando a reportagem de VEJA, ministro critica a falta de compostura de autoridades da República no momento atual: “É lastimável. Nós estamos vivenciando tempos muito estranhos, em que há perda de parâmetros e abandono de princípios”. Para Marco Aurélio, os ministros citados devem prestar esclarecimentos à sociedade.