Dilma provoca Justiça Eleitoral: ‘Matemática política estranha’

A presidente Dilma Rousseff ironizou nesta quinta-feira as ações em curso na Justiça Eleitoral que podem resultar na cassação de seu mandato. Ao discursar a uma plateia chapa-branca de artistas e intelectuais instalada no Palácio do Planalto, Dilma disse que já teve as contas aprovadas – embora com ressalvas – pelo Tribunal Superior Eleitoral e desdenhou das quatro ações propostas pela coligação do senador Aécio Neves (PSDB-MG) nas eleições de 2014. “Eu acreditou que sou talvez a única governante que tenha tido várias vezes as contas vistas e revistas, porque comigo não basta aprovar uma vez. É necessário talvez aprovar duas ou três. O que é bastante interessante, é uma matemática política muito, mas muito estranha”, afirmou Dilma. As ações contra a chapa de Dilma e Michel Temer foram unificadas e tramitam na corregedoria da corte, subsidiadas por provas da Operação Lava Jato. A investigação já colheu depoimentos de que a campanha de Dilma pediu recursos a delatores do petrolão e descobriu indícios ‘muito, muito estranhos’ de que o marqueteiro dilmista João Santana recebeu 4 milhões de reais do caixa dois da Odebrecht, durante a campanha de 2014 no Brasil. (Felipe Frazão, de Brasília)