Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

CPI dos Fundos de Pensão pede a Moro para ouvir Vaccari

Ex-tesoureiro do PT é suspeito de ter influenciado em decisões de investimentos malsucedidos feitos pela fundo Petros; ele está preso em Curitiba por envolvimento no petrolão

O presidente da CPI dos Fundos de Pensão, deputado Efraim Filho (DEM-PB), encaminhou ao juiz federal Sérgio Moro autorização para realizar a oitiva do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, que está preso em Curitiba por suspeitas de participação no esquema do petrolão. O objetivo do deputado é coletar o depoimento de Vaccari na primeira semana de fevereiro, logo após o término do recesso do Legislativo.

Para integrantes da oposição na CPI dos Fundos, Vaccari também teria influenciado em decisões de investimentos malsucedidos feitos em empresas públicas. O ex-tesoureiro já foi condenado a mais de 15 anos de prisão na Operação Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

“A solicitação já foi feita ao juiz Sérgio Moro. Decidimos isso ontem. Acredito que a única coisa que pode impedir o Vaccari de vir é ter no mesmo dia alguma audiência com ele em Curitiba”, afirmou Efraim Filho. “Vamos fazer a oitiva provavelmente na quarta-feira, dia 3 de fevereiro, pela manhã. O Vaccari também foi citado na triangulação entre o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, o ex-presidente da OAS Leo Pinheiro e o diretor da Funcef Carlos Borges, mostrando que ele era uma das pessoas que fazia essa ponte entre o PT e os fundos de pensão, misturando o público com o privado”, completou.

Mesmo se confirmada a ida do ex-tesoureiro do PT à CPI, Vaccari poderá recorrer ao direito constitucional de não dar declarações durante a audiência. “Sabemos das dificuldades. Mas o silêncio dele gerará presunção de culpa, a opção é dele”, considerou o deputado.

Segundo o presidente da CPI, ainda não foi definido quando será realizada a primeira sessão deliberativa do colegiado. Em razão disso, a tendência é que o requerimento de convocação do ministro Jaques Wagner seja colocado em votação somente após o carnaval.

O pedido de depoimento do ministro foi apresentado no último dia 11 por deputados de oposição após conversas obtidas pela Operação Lava Jato no celular de Léo Pinheiro indicarem uma suposta atuação de Wagner na intermediação de negócios entre a empresa e fundos de pensão.

Leia também:

Ex-auxiliar de Youssef diz que Vaccari era ‘lobista de fundos de pensão’

(Com Estadão Conteúdo)