Executivos da Galvão viram réus por tentativa de barrar CPI

O juiz federal Sergio Moro aceitou denúncia nesta terça-feira contra os executivos Ildefonso Colares Filho e Erton Medeiros

O juiz federal Sergio Moro aceitou nesta terça-feira denúncia contra o ex-presidente da Queiroz Galvão Ildefonso Colares Filho e Erton Medeiros, da Galvão Engenharia. Com a decisão, eles se tornam réus na ação penal da 33ª fase da Lava Jato, deflagrada em agosto deste ano, e passam a responder pelo crime de corrupção ativa.

Os dois são acusados de oferecer 10 milhões de reais ao senador Sérgio Guerra (PSDB-PE), que morreu em 2014, e ao deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE), para que CPI da Petrobras no Senado não fosse instalada.

Em dezembro do ano passado, Moro condenou Erton Medeiros a doze anos e cinco meses de prisão por lavagem de dinheiro, associação criminosa e corrupção ativa por participar do escândalo do petrolão. Segundo o juiz, a Galvão Engenharia desembolsou 4,17 milhões de reais em propina e a atuação da empreiteira no propinoduto da Petrobras representou preços cerca de 14% mais altos para a estatal.

Leia também:
Moro nega domiciliar a ex-assessor de Palocci que tentou suicídio
Temer: acusações contra ministros são ‘só alegações’
Procuradores investigam empréstimos do BNDES a Bumlai

A 33ª fase, batizada de Resta Um, reuniu informações de corrupção e fraude nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, na Refinaria Abreu e Lima e em diversas refinarias, como a do Vale do Paraíba, Landulpho Alves e na de Duque de Caxias.

Em junho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) denúncia contra o deputado federal Dudu da Fonte (PP-PE) por indícios de que ele teria intermediado pedido de propina para barrar em 2009 as investigações da CPI da Petrobras. Segundo o Ministério Público, Dudu cometeu o crime de corrupção passiva porque atuou junto ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa para pedir 10 milhões de reais a fim de que o então presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, atuasse para que a comissão de inquérito não produzisse resultado efetivo.

Para viabilizar o dinheiro, Dudu, Sérgio Guerra e Paulo Roberto Costa se reuniram pelo menos quatro vezes no Rio de Janeiro, no segundo semestre de 2009, para acertar detalhes do pagamento. Uma das reuniões foi gravada em áudio e vídeo e entregue ao Ministério Público. Acerto feito, Paulo Roberto recolheu 10 milhões de reais do então deputado José Janene, controlador do caixa da propina do PP. Segundo as investigações, os valores acabaram sendo facilmente providenciados pelas empreiteiras Queiroz Galvão e Galvão Engenharia.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nelson Marchetto

    Era realmente uma farra de diretores, políticos, e empreiteiras. Empreiteiras superfaturando, diretores e políticos mamando nas tetas da Petrobrás até quase seca-las, a sorte foi Deus que mandou a mensagem através daquele “posto de combustíveis” lá de Brasília, o resto, estamos vendo até agora!!!

    Curtir

  2. Emilio Beckmann

    Cada vez que vejo um ser preso, fico com a alma lavada.
    Ainda tem muito bandido no Brasil, mas as prisões ajudam a desestimular novos aventureiros.
    Adiante DPF! Adiante Justiça!

    Curtir

  3. Imagina se a Dilma fica até o final desse nefasto desgoverno petista e não tivessem ocorrido as delações premiadas. Teriam literalmente arrebentado com o país, MALDITOS PETISTAS.

    Curtir

  4. Quem diria o presidente do PSDB, já naquela época se beneficiando da roubalheira da estatal brasileira! Imaginem, depois com a participação de outros partidos o que ocorreune está ocorrendo com as delações!

    Curtir