Redes Sociais

Comportamento

Fotografia, o motor das redes sociais

O vídeo é visto como grande atração da web, mas são as fotos que animam a participação de usuários em serviços como o Facebook e o Pinterest

Rafael Sbarai e Renata Honorato
  • Reprodução

    Reprodução

  • Paula Felitto fotografa seu filho, Benjamim, desde os cinco dias de vida

    Reprodução

  • Foto do leitor Abílio Pettenazzi

    Abílio Pettenazzi

  • Foto do leitor Eduardo Roberty

    Eduardo Roberty

  • Foto do leitor Eduardo Spranger

    Eduardo Spranger

  • Foto do leitor Gabriel Barboza

    Gabriel Barboza

  • Foto da leitora Kamila Marinho

    Kamila Marinho

  • Foto do leitora Letícia Haack

    Letícia Haack

  • Foto do leitor Roberto Severien

    Roberto Severien

Foto 0 / 9

Ampliar Fotos

Em 2006, o Google, já um gigante da internet, desembolsou 1,65 bilhão de dólares para adquirir um serviço nascente e promissor, o YouTube, site de compartilhamento de vídeos. O negócio parecia prenunciar a era do vídeo, animada pelas câmeras caseiras digitais. A impressão geral era que o formato esmagaria outros registros, como a fotografia. Eis que, passados seis anos, outro gigante, o Facebook, voltou a provocar frisson ao anunciar a aquisição do Instagram, aplicativo para smartphones e tablets cuja matéria-prima são as fotos, não o vídeo. É fácil entender por que Mark Zuckerberg, criador e CEO do Facebook, está disposto a desembolsar a montanha de dinheiro. Hoje, 70% de todas as interações feitas pelos mais de 800 milhões de usuários da rede são relativas a fotos. Ou seja, a fotografia ainda fisga nosso olhar. Simultaneamente, dentro da web – e também fora dela –, a fotografia não para de se multiplicar. Estima-se que, a cada dois minutos, tiram-se pelo mundo mais fotos do que todo o século XIX produziu.

Leia mais:
Com Instagram, Facebook reforça estratégia da rede dentro da rede
Cinco concorrentes do Instagram. Alguns são até melhores

A história da ascensão da fotografia no mundo digital começou a ser escrita em 1997, quando foi lançado o primeiro modelo comercial de câmera digital: a Sony Mavica. O resultado foi percebido quase instantaneamente. Na década de 1990, o número de fotos produzidas cresceu 50%, chegando, em 2000, a 86 bilhões de cliques ao ano, segundo cálculos de Jonathan Good, consultor de redes sociais, a partir de dados da Kodak e da Enciclopédia Digital de Negócios. Passada uma década, esse número chegaria a 360 bilhões de fotografias anuais, alta de 340%. Além da câmera digital, há mais três elementos a alimentar essa evolução: os celulares, que incorporaram as câmeras, as redes 3G, que permitem a transmissão de dados (e de fotos) em alta velocidade, e, por fim, as redes sociais, que facilitam sua distribuição. Segundo pesquisa da empresa da análise de mercado NPD Group, em 2011, 27% de todas as fotos produzidas pelos americanos foram feitas a partir de smartphones – um avanço de 60% em relação ao ano anterior. A tendência é que o processo se acentue com o avanço da rede 3G, usada por 1,2 bilhão de pessoas e que, em 2016, deve se estender a 10 bilhões de aparelhos, segundo a União Internacional de Telecomunicações. Isso vai municiar um exército de fotógrafos.

"Uso o Instagram há muito tempo. Por ele, compartilho fotos de trabalhos, viagens, comidas e amigos. Também tiro fotos com roupas que experimento: é uma forma de agradecer aos meus estilistas."

Sabrina Sato, apresentadora de TV

"Muitas vezes, é mais fácil fazer o upload de uma foto em alguma rede da internet do que sentar e escrever um texto", diz o americano Rudy Adler, cofundador do 1000Memories, serviço virtual que se dedica à preservação de fotos antigas, tentando explicar a ascensão da foto no mundo digital. Ele aposta que, embora os vídeos sigam em alta, as fotos podem ser até mais populares do que as imagems em movimento em algumas situações. "No Facebook, por exemplo, as fotografias são mais compartilhadas a partir do botão Curtir do que os vídeos", diz Adler. Trata-se de uma questão de tempo, um bem precioso nos dias de hoje. Quem observa uma foto pode decidir quanto quer se dedicar a ela: pode ser meio segundo, pode ser uma hora. Quem assiste a um vídeo, ainda que o faça parcialmente, tem de obedecer minimamente a um prazo imposto por seu autor. "O vídeo demanda mais tempo de quem o faz e de quem o aprecia."

Nas redes, é mesmo o Facebook quem encabeça o movimento. A cada dia, em média, usuários confiam 250 milhões de fotos ao serviço. A torrente faz com que o repositório de imagens da rede tenha crescido 14 vezes em um período de apenas três anos (2008 a 2011), atingindo incríveis 140 bilhões de fotos no fim do ano passado. O sucesso é tamanho que, atualmente, o acervo é 23 vezes maior do que o do Flickr, site criado especificamente para abrigar fotos de usuários. A diferença é que o Facebook criou mecanismos para que seus afiliados não apenas armazenem, mas também compartilhem suas criações e, assim, passem mais tempo ali. Continue a ler a reportagem

Número de fotos produzidas no mundo

Não por acaso, a mais importante mudança no serviço, anunciada no fim do ano passado, foi a criação da Timeline, na qual o usuário é incentivado a publicar fotos feitas muito antes do aparecimento da rede, em 2004. O propósito, na verdade, é retroceder até o nascimento do usuário. "A Timeline é o maior indício de que o Facebook busca estimular o compartilhamento de imagens. É a prova de que a foto é valiosíssima para a rede", diz Eric Messa, coordenador do curso de extensão em mídias sociais da FAAP.

"Comecei a tirar fotos do Benjamin, meu primeiro filho, quanto ele tinha apenas cinco dias de vida. Agora, uso o Instagram para acompanhar a gravidez do Matias: é como se fosse um álbum familiar."

Paula Felitto, bailarina

Criado em 2010 pelo americano Kevin Systrom e pelo brasileiro Michel Krieger, o Instagram usa a mesma matéria prima, as imagens. Disponível para dispositivos móveis movidos pelos sistemas operacionais iOS (Apple) e Android (Google), o aplicativo recriou o tradicional álbum de fotos. Ele oferece a seus usuários filtros que, a um só tempo, envelhecem e garantem frescor às imagens. Faz lembrar o ditado "tudo o que é muito velho parece moderno". E pegou. Mais de 35 milhões de usuários adotaram o programa em suas maquininhas de mão e não se cansam de replicar pela rede suas fotos ligeiramente modificadas. "Os filtros são mesmo o segredo do Instagram. Os efeitos alteram a informação contida nas fotos. Isso torna a experiência de apreciar essas imagens prazerosa, pois estimula diferentes áreas do cérebro", diz Fernando Fogliano, especialista em ciências cognitivas (e também fotógrafo).

O Pinterest avança pela mesma seara. Aliás, é a rede social que mais avança no mercado americano. Criado em 2010, o serviço registrou em março a marca de 104 milhões de visitas, ficando atrás apenas do Facebook (7 bilhões) e Twitter (182 milhões), segundo a empresa de métricas Experian. A rede se apóia nas imagens, mas não só. Sua maior força talvez esteja em oferecer aos usuários uma espécie de ferramenta para organizar o mundo à moda dos antigos quadros de cortiça, em que eram pregadas fotos e anotações. No mural virtual, pode-se reunir listas de receitas, roupas, acessórios, paisagens, comidas, penteados e o que mais permitir a imaginação. É o despertar do tão antigo quanto permanente desejo humano de colecionar e, portanto, organizar coisas. Continue a ler a reportagem

Número de fotos do acervo do Facebook

 

Do Tumblr vem outro sinal do poder das fotografia em rede. O site, misto de plataforma de blogs e rede social, divide com o Pinterest o posto de segundo serviço ao qual usuários dos Estados Unidos mais dedicam tempo: são exatos 89 minutos ao mês (o Facebook devora 405 minutos mensais dos americanos), segundo a empresa de medição virtual comScore. Ali, são postados diariamente 55 milhões de posts em média: metade deles são fotos; vídeos, textos e áudio se acotovelam nos 50% restantes. "A maior virtude do Tumblr é sua simplicidade", diz a brasileira Regina Gotthilf, gerente de internacionalização da empresa. Facilidade inclusive para compartilhar imagens.

O desejo que anima usuários a produzir e compartilhar fotos e mais fotos pode variar. Do registro histórico à pura exibição, passando pelo envio de uma recordação aos amigos distantes. O efeito desse gesto simples sobre os autores é quase sempre positivo, concluiu uma pesquisadora americana que dedicou um ensaio ao  assunto. "Pessoas que armazenam muitas fotos em seus perfis em redes sociais costumam apresentar maior autoconfiança, se comparadas a outras que não valorizam imagens em suas páginas pessoais", diz Amy Gonzales, pesquisadora de mídia e psicologia da Universidade Cornell. "A rede pode ser, sim, favorável à autoestima, pois ali seus usuários descobrem o que têm de melhor, e expõe isso."

Com reportagem de Paula Reverbel

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados