Comportamento

Sexting está relacionado ao comportamento sexual de risco

Pesquisa confirma a relação entre a troca de mensagens com conteúdo sexual entre adolescentes com o sexo desprotegido

Adolescentes que trocam mensagens sexuais explícitas pelo celular têm mais riscos de praticarem sexo desprotegido

Adolescentes que trocam mensagens sexuais explícitas pelo celular têm mais riscos de praticarem sexo desprotegido (Getty Images)

Adolescentes que trocam mensagens de celular (texto ou fotos) com teor sexual explícito têm mais chances de manter comportamento sexual de risco. De acordo com uma pesquisa publicada no periódico Pediatrics, o sexting, como é conhecida a prática, não é um substituto ao “mundo real” do sexo, mas sim parte de um conjunto de atitudes que levam ao sexo arriscado entre adolescentes.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Sexually Explicit Cell Phone Messaging Associated With Sexual Risk Among Adolescents

Onde foi divulgada: revista Pediatrics

Quem fez: Eric Rice e equipe

Dados de amostragem: 1.800 adolescentes que frequentavam o colegial na cidade de Los Angeles

Resultado: O sexting não substitui o "mundo real" do sexo, mas faz parte de um conjunto de comportamentos de risco. Entre aqueles que praticam a troca de mensagens, há riscos mais elevados de engajamento no comportamento sexual de risco — como o não uso da camisinha.

No estudo, foram avaliados 1.800 alunos do colegial da cidade de Los Angeles, nos Estados Unidos. Entre aqueles que tinham acesso ao celular, 15% relataram já terem feito sexting, enquanto 54% disseram conhecer alguém que já tinha mandado mensagens com teor sexual explícito. Os adolescentes que disseram ter feito sexting era mais propensos a serem sexualmente ativos, e mais suscetíveis ao sexo desprotegido.

Leia também: Sexting adolescente, um convite para o sexo

Segundo a pesquisa, alguns grupos de adolescentes eram mais propícios ao sexting. Entre eles, os afro americanos, lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Para os autores, os médicos deveriam usar o sexting como uma maneira amigável de conversar sobre a vida sexual dos pacientes, a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e a prevenção da gravidez indesejada. Eles sugerem ainda, que discussões sobre o sexting sejam incluídas no currículo escolar de saúde.

Leia também: Fique de olho nos seus filhos na web

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados