Mais Lidas

  1. Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se revoltam

    Mundo

    Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se...

  2. Zelotes: Justiça condena 9 réus por ‘venda’ de medidas provisórias

    Brasil

    Zelotes: Justiça condena 9 réus por ‘venda’ de medidas provisórias

  3. Relator do impeachment defende base para processo contra Dilma

    Brasil

    Relator do impeachment defende base para processo contra Dilma

  4. PMDB insatisfeito com espaço no governo do... PMDB

    Brasil

    PMDB insatisfeito com espaço no governo do... PMDB

  5. Kátia Abreu 'se despede' e faz juras de lealdade a Dilma

    Brasil

    Kátia Abreu 'se despede' e faz juras de lealdade a Dilma

  6. Raul Cutait não assumirá Ministério da Saúde

    Saúde

    Raul Cutait não assumirá Ministério da Saúde

  7. Justiça de SP envia a Moro pedido de prisão de Lula

    Brasil

    Justiça de SP envia a Moro pedido de prisão de Lula

  8. Eliminação contraditória no 'MasterChef' provoca a ira nas redes sociais

    Entretenimento

    Eliminação contraditória no 'MasterChef' provoca a ira nas redes...

Reverendo Moon é enterrado na Coreia do Sul

- Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Os fiéis da Igreja da Unificação lotaram o templo principal da seita, na Coreia do Sul, para o último adeus a Sun-Myung Moon - conhecido no Brasil como reverendo Moon -, cujo funeral e enterro aconteceram neste sábado, 15 dias após seu falecimento. Segundo os organizadores, cerca de 35.000 pessoas, entre membros da Igreja e representantes de quase 200 países, estiveram no Centro Mundial da Paz Cheong Shim (Mente Pura, em coreano), situado no condado de Gapyeong (60 quilômetros ao leste de Seul).

Após uma emotiva cerimônia, Moon foi enterrado perto do palácio-museu de Cheong Jeong, sobre uma colina. Antes, em um caixão vermelho de madeira ornamentado com caracteres chineses, chegava o corpo do reverendo ao templo, onde jovens uniformizados o depositaram sobre o altar, enfeitado com um grande retrato do próprio Moon em frente a um tapete vermelho que abria passagem entre milhares de flores.

A cerimônia transcorreu no salão de atos central - similar a um grande pavilhão esportivo - e foi comandada pela viúva de Moon, Han Hak-ja, e os dois de seus 15 filhos, que herdaram respectivamente a organização religiosa e o empório econômico internacional construídos pelo falecido.

O reverendo fundou, em 1954, a Igreja da Unificação e, uma vez consolidado o movimento, se proclamou "messias" da humanidade perante seus fiéis sob a premissa de que Deus lhe enviou à Terra para finalizar a obra que Jesus Cristo não pôde concluir. Defensor da unificação das Coreias, Moon alcançou uma grande influência política internacional e chegou a reunir-se com Mikhail Gorbachev e com Kim Il-Sung.

(Com EFE)

TAGs:
Coreia do Sul
Política