Mais Lidas

  1. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  2. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  3. Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

    Brasil

    Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

  4. Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

    Brasil

    Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

  5. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  6. Denúncia contra Dilma não deve ser ampliada, diz Lira

    Brasil

    Denúncia contra Dilma não deve ser ampliada, diz Lira

  7. FHC presta depoimento à PF sobre acusações de ex-amante

    Brasil

    FHC presta depoimento à PF sobre acusações de ex-amante

  8. Pimentel condecorou mais da metade dos desembargadores do TJ-MG

    Brasil

    Pimentel condecorou mais da metade dos desembargadores do TJ-MG

Obama: ‘Cuba continua sendo um estado autoritário’

Na Cúpula das Américas, presidente americano justificou veto à participação de Havana e afirmou que não considera a Venezuela de Hugo Chávez uma ameaça

- Atualizado em

Obama desembarca em Cartagena, na Colòmbia, para participar da Cúpula das Américas
Obama desembarca em Cartagena, na Colòmbia, para participar da Cúpula das Américas(Alfredo Estrella / AFP/VEJA)

O presidente americano, Barack Obama, justificou o seu veto à participação de Cuba na Cúpula das Américas nesta sexta-feira, afirmando que não pode fechar os olhos aos abusos cometidos na região. Para Obama, a ilha continua sendo "um estado antidemocrático e autoritário".

"O que impede que Cuba seja membro completo da comunidade internacional não são os EUA, é sua própria prática que é contrária aos princípios universais", afirmou. O presidente, porém, fez ressalvas e lembrou que a ditadura de Raúl Castro vem - muito lentamente - adotando algumas medidas mais arejadas, como "gestos econômicos rumo à liberdade" e a libertação de alguns presos políticos. "Ninguém ficaria mais feliz em ver mudanças em Cuba do que eu. Gostaria de ver esses presos políticos soltos e o povo de Cuba determinar seu próprio destino. De braços abertos, esperarei esse dia", concluiu.

Leia também: Colômbia registra explosões durante Cúpula das Américas

Venezuela - Obama também disse que não considera a Venezuela uma ameaça para os Estados Unidos, embora Caracas tenha mudado suas parcerias na região de "forma destrutiva". Durante o governo Hugo Chávez, o país se afastou de Washington e estabeleceu aliança com a ditadura cubana nos últimos anos. Atualmente, Venezuela e EUA não têm relações diplomáticas em nível de embaixadores.

O presidente americano, no entanto, não se absteve de criticar a forma como o caudilho venezuelano se perpetua no poder. "As pessoas na Venezuela não acreditam na retórica, as instituições democráticas estão sendo atacas, está se impedindo o livre direito à expressão e à organização da oposição", denunciou Obama.

(Com agência France-Press)

TAGs:
Barack Obama
Cuba
Hugo Chávez
Raúl Castro
Venezuela
Estados Unidos