Mais Lidas

  1. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

  2. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  3. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  4. Marcola quer fazer botox

    Brasil

    Marcola quer fazer botox

  5. Irmãs tramam pelo WhatsApp assalto ao próprio pai no interior de São Paulo

    Brasil

    Irmãs tramam pelo WhatsApp assalto ao próprio pai no interior de...

  6. Justiça investiga manobra para reverter extradição de Pizzolato

    Brasil

    Justiça investiga manobra para reverter extradição de Pizzolato

  7. Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

    Brasil

    Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

  8. Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

    Esporte

    Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

FBI participou de investigação da morte de Dorothy Stang; EUA temiam corrupção entre policiais brasileiros

Telegramas enviados a Washington dizem que o Pará, onde a missionária foi morta, é 'uma terra sem lei, como o Velho Oeste'

- Atualizado em

O mais recente documento divulgado pelo site WikiLeaks envolvendo o Brasil é sobre a morte da missionária americana naturalizada brasileira Dorothy Stang, assassinada no Pará por denunciar a grilagem e o desmatamento ilegal. A embaixada dos Estados Unidos em Brasília acompanhou de perto as investigações sobre o crime, preocupada com a corrupção dos policiais brasileiros. O FBI, discretamente, investigou o caso junto com a polícia do Brasil.

Nos telegramas, John Danilovich, ex-embaixador americano no Brasil (2004-2005), se mostra preocupado com a corrupção policial, que poderia prejudicar o andamento do caso. "Aparentemente a investigação está correndo bem, mas há sérias preocupações de que a polícia pode estar comprometida por ligações impróprias com grandes donos de terra na região que estão envolvidos em apropriação ilegal de terra e desmatamento", diz o telegrama de 22 de fevereiro de 2005, mês e ano em que ocorreu o crime.

Havia o medo, por parte dos americanos, de que a investigação fosse manipulada por autoridades brasileiras. "Acredita-se que autoridades estatais corruptas tenham permitido a grilagem de terra em larga escala e o desmatamento durante anos", descreve o embaixador. Essa mesma fonte disse a ele que Dorothy era "uma pedra no sapato" dos fazendeiros e policiais. "Em razão das preocupações de longa data sobre a eficiência, corrupção e baixa moral da PM em todo o Brasil, além de preocupações especificas sobre a atuação da PM do Pará na investigação sobre Stang, vamos monitorar o caso de perto para ver se ele será federalizado", conclui o telegrama.

Márcio Thomas Bastos - Mais tarde, em 3 de março, Danilovich envia outro telegrama reclamando do então ministro da Justiça, Márcio Thomas Bastos. "Estamos meio confusos com a relutância de Bastos em federalizar o caso devido ao alto envolvimento federal e a oportunidade do caso ser teste para a nova lei de federalização", escreve. Na mesma mensagem, o embaixador explica que três investigadores do FBI estiveram na cena no crime e "colheram testemunhos, fotos e vídeo das autoridades policiais brasileiras". Os investigadores do FBI inclusive interrogaram os três suspeitos que estavam sob custódia brasileira. O objetivo era que o advogado-geral dos EUA apresentasse o caso perante o tribunal do júri.

"Terra sem lei"- Nos três meses seguintes ao assassinato, a embaixada americana produziu nove relatórios sobre o caso. Até 2008, outros seis foram elaborados. Em outro documento, Danilovich afirma que o Pará se parece "com a imagem popular do Velho Oeste: isolado, pouco povoado, uma terra sem lei". Há elogios ao governo federal, cujo empenho foi considerado "vigoroso" sob "qualquer ponto de vista". Mas o ex-embaixador manifesta preocupação com a Justiça do Pará e sugere que a federalização do crime seria a melhor solução.

Crime - Dorothy Stang foi morta em fevereiro de 2005, aos 73 anos, com seis tiros, em uma estrada de terra perto de Anapu, a 750 km de Belém, por denunciar a grilagem e o desmatamento ilegal. Cinco pessoas foram condenadas pelo crime.

TAGs:
Wikileaks
Brasil