- Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Nem em Madri se acredita que Ronaldo será capaz de tirar a coroa do rival daqui em diante. Uma conclusão dolorosa para um jogador que não aceita perder

Num dia típico, o português Cristiano Ronaldo acorda numa mansão em Madri, se despede de uma modelo russa e dirige uma Lamborghini até a sede do clube mais rico e poderoso do planeta. Depois de treinar no Real Madrid, que paga a ele um salário mensal de 1 milhão de euros, Ronaldo lida com a caçada implacável de mulheres dispostas a tudo para roubá-lo da noiva, Irina Shayk - e avalia a possibilidade de trocar a Espanha por algum outro país europeu (recentemente, a imprensa da Inglaterra divulgou uma proposta de quase 3 milhões de euros mensais ao português). Ainda assim, por mais inacreditável que pareça, é possível dizer que Cristiano Ronaldo é um sujeito azarado. Isso porque o craque, notório mau perdedor, tem a competitividade no sangue, e não gosta de ser derrotado nem no par ou ímpar. E, para seu desespero, vive num tempo em que não conseguirá ser o melhor no que faz. Certa vez, Ronaldo disse que só era vaiado pelos torcedores de times rivais porque é "rico, bonito e grande jogador". Enquanto Lionel Messi estiver em ação, no entanto, o português não voltará a ser o que mais queria: o melhor jogador de futebol do mundo. Ele já ganhou o título no passado - foi em 2008, superando até o argentino. Mas Messi tinha só 19 anos, e ainda mal tinha se estabelecido como ídolo do Barcelona. Nem em Madri se acredita que Ronaldo será capaz de tirar a coroa do rival daqui em diante. Uma conclusão dolorosa para um jogador que, não fosse o argentino, seria disparado o melhor do planeta. Com números espetaculares, grandes conquistas, um futebol quase irretocável e muito carisma, Ronaldo seria candidato perfeito a reinar sozinho. Terá, porém, de se contentar em ser o segundo melhor. A seguir, confira o que faz do português um supercraque:

TAGs:
Futebol Europeu
Real Madrid
Cristiano Ronaldo
Lionel Messi