Londres terá a maior mostra do anatomista Da Vinci

Exposição faz parte da celebração dos 60 anos de trono da rainha Elizabeth II, o chamado Jubileu de Diamantes, e fica em cartaz até 7 de outubro

- Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Uma coleção de desenhos do mestre renascentista Leonardo da Vinci, 24 deles inéditos, será apresentada a partir de sexta-feira na Queen's Gallery, próxima ao Palácio de Buckingham, em Londres. Leonardo da Vinci: Anatomista será a maior exposição já realizada dos trabalhos anatômicos de Da Vinci. Além dos desenhos desconhecidos do público, serão apresentadas 87 páginas de seus cadernos. A mostra, que faz parte da celebração dos 60 anos de trono da rainha Elizabeth II, o chamado Jubileu de Diamantes, fica em cartaz até 7 de outubro.

As obras de Da Vinci (1452-1519) retratam com detalhes órgãos como o cérebro e o coração, a estrutura músculo-esquelético das quatro extremidades humanas (as mãos e os pés), a dissecação de um crânio e o sistema reprodutor. Entre as imagens mais famosas que irão para Londres, está a figura O Feto no Útero (1512), um retrato com giz vermelho de um útero durante a gravidez.

"Leonardo da Vinci é geralmente reconhecido apenas como um pintor interessado por ciência, mas, a partir desses desenhos, compreendemos que ele também era um bom cientista", diz Martin Clayton, curador da exposição. Segundo o especialista, os desenhos de anatomia do corpo humano são "os mais detalhados e precisos" de todo o Renascimento e comprovam o interesse do artista italiano pela medicina, paixão que evoluiu ao longo de sua carreira, como se percebe nas notas manuscritas de cada peça.

Muitos desenhos, aliás, são fruto de uma pesquisa realizada por Da Vinci na Faculdade de Medicina da Universidade de Pavia (Itália), onde fez uma série de autópsias de pessoas e de animais. "Se os resultados desses estudos tivessem sido publicados, teriam se transformado no trabalho mais influente da história sobre o corpo humano. Alguns de seus descobrimentos sustentam teses que seriam confirmadas centenas de anos mais tarde", afirma Clayton.

Com a morte de Da Vinci, sua coleção de trabalhos anatômicos passou para as mãos de seu aprendiz favorito, Francesco Melzi, que por sua vez a entregou ao escultor Pompeo Leoni. Após a morte de Leoni, no século XVII, um único álbum com os desenhos de Da Vinci chegou à Inglaterra, onde foi provavelmente adquirido pelo rei Carlos II, já que os desenhos fazem parte da Coleção Real do Palácio de Buckingham desde 1690.

(Com agência EFE)

TAGs:
Artes Plásticas
Exposicao
Leonardo da Vinci