Mais Lidas

  1. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  2. Moro, aplausos e um pedido: 'Prenda o Lula'

    Brasil

    Moro, aplausos e um pedido: 'Prenda o Lula'

  3. Argentina: jogador morre depois de receber golpes na cabeça

    Esporte

    Argentina: jogador morre depois de receber golpes na cabeça

  4. Na Argentina, Serra firma acordo de 'coordenação política'

    Brasil

    Na Argentina, Serra firma acordo de 'coordenação política'

  5. Novos áudios mostram que Jucá não falava sobre economia ao citar "sangria"

    Brasil

    Novos áudios mostram que Jucá não falava sobre economia ao citar...

  6. Dubladora apoia campanha por namorada para Elsa, de ‘Frozen’

    Entretenimento

    Dubladora apoia campanha por namorada para Elsa, de ‘Frozen’

  7. Temer confirma afastamento de Jucá

    Brasil

    Temer confirma afastamento de Jucá

  8. Sucessor de Jucá no Planejamento é citado na Zelotes

    Brasil

    Sucessor de Jucá no Planejamento é citado na Zelotes

A renovação de autores na Globo

Só neste ano, três tramas assinadas por estreantes ganham espaço na emissora, na maior abertura para autores novatos feita pelo canal desde o início dos anos 2000, quando novos nomes passaram a assinar folhetins em intervalos de ao menos dois anos

Por: Mariana Zylberkan - Atualizado em

Lícia Manzo estreou como autora solo em 'A Vida da Gente'
Lícia Manzo estreou como autora solo em A Vida da Gente(Divulgação/Alex Carvalho/TV Globo/VEJA)

"Sem novela, a TV é economicamente inviável." A frase, dita por José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, em 1985, quando ainda era o todo-poderoso da Globo, dá a dimensão da importância dos folhetins para a maior emissora do país. Uma importância que não mudou com o tempo. Principal produto global, a telenovela ainda é garantia de publicidade e de público: em abril, a nova trama das nove, Avenida Brasil, foi o programa mais visto da emissora, com média de 36,8 pontos no Ibope na Grande São Paulo. Para manter a sua grade combativa em tempos de concorrência acirrada com a Rede Record, a Globo investe cada vez mais. Criou uma quarta faixa de folhetins às 23 horas com O Astro, em 2011. E agora abre um espaço inédito para autores que renovem a linguagem e falem a um novo público.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: O teste dos calouros de Cheias de Charme

A fábrica de autores da Globo
A fábrica de autores da Globo(Luciana Martins Souza/VEJA)
TAGs:
Globo
Novelas