Por: Lecticia Maggi - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Leia também:

Manual do Candidato do Enem: o que fazer na inscrição, na prova e na matrícula

Teste vocacional: descubra as carreiras que têm mais a ver com você Temas de atualidades que podem cair no Enem e vestibulares 2014/15 20 questões para escolher uma carreira no Enem e nos demais vestibulares Raio-x do Enem: os conteúdos mais cobrados desde 2009 Seis formas de usar a nota do Enem TRI: como é calculada a nota do Enem

História medieval ou contemporânea? Geometria ou estatística? Mecânica ou óptica? Interpretação de texto ou regras gramaticais? Quais são as matérias mais cobradas pelos examinadores do Enem dentro de cada uma das quatro superáreas de conhecimento avaliadas na prova? Com o auxílio de um time de especialistas, VEJA.com analisou as últimas quatro edições do exame federal - incluindo o realizado em novembro de 2012 - e elaborou um ranking dos conteúdos mais recorrentes. Além disso, exibe todas as questões da prova de 2012, resolvidas pelo Anglo Vestibulares.

O levantamento analisou 720 questões e pretende servir como guia para os estudantes que vão realizar o exame neste ano. Um exemplo prático disso: na prova de ciências da natureza, a incidência de questões relativas a ecologia é muito superior à registada pela área de botânica, ao mesmo tempo em que eletricidade supera de longe termodinâmica. Já no exame de ciências humanas, questões sobre o período republicano brasileiro são mais comuns do que as relativas à história colonial. Na prova de linguagem, os estudantes devem estar mais preocupados com interpretação textual do que com gramática. Por fim, em matemática, funções e geometria são mais frequentes do que equações elementares ou matrizes.

O Enem é uma prova de caráter interdisciplinar. Ou seja, na avaliação, uma questão pode exigir conhecimentos de duas ou mais matérias. Uma questão de ciências da natureza pode tratar ao mesmo tempo de energia e meio ambiente. O levantamento exibido a seguir levou em conta essa característica: quando isso ocorre, os professores que colaboraram na elaboração do levantamento indicaram a duplicidade. Por isso, os leitores mais curiosos que se derem ao trabalho de somar o número de questões de cada superárea, em cada edição do Enem, não devem se surpreender se obtiverem como resultado um valor superior a 45 - número total de testes em cada superárea. Exemplo disso é a pergunta 135 da prova de linguagem do Enem 2012, que cobra ao mesmo tempo interpretação de texto e conhecimentos de literatura.

O exame de avaliação do ensino médio surgiu em 1998. Em 2009, transformou-se em vestibular, quando passou a selecionar estudantes para instituições federais de nível superior. Desde então, ganhou feições diferentes e, por isso, pouco se parece com a prova criada uma década antes. Por essa razão, o levantamento exibido a seguir considera apenas as questões apresentadas nas provas realizadas a partir de 2009. Ainda assim, segundo os professores ouvidos, o estudante que se prepara para a avaliação deve se concentrar nas edições de 2010, 2011 e 2012. Isso porque o exame de 2009 representa a transição do antigo para o novo modelo, o primeiro em que foram apresentadas 180 questões, e não mais 63. "A avaliação de 2009 é um ponto fora da curva. Houve questões muito irregulares", afirma o professor Luís Ricardo Arruda, coordenador do Anglo Vestibulares. "As provas que se seguiram são mais equilibradas e servem como ferramentas mais apuradas para a preparação dos estudantes."

Colaboraram no levantamento, com análise de questões: Célio Tasinafo (Oficina do Estudante); Yadyr Augusto, Adauto Pessoa, Edson Futema e André Valente (Cursinho da Poli); Augusta Aparecida Barbosa (Cursinho do XI); Glenn Van Amson (Anglo Vestibulares).

TAGs:
Prova