Paleontologia

Humanos não foram responsáveis pela extinção do mamute-lanoso

Mamute-lanoso

Ilustração de um mamute-lanoso que viveu nas regiões árticas da Terra e desapareceu por causa da mudança do clima, segundo os pesquisadores ingleses (Photoresearchers/Latinstock/VEJA)

"O que nossos resultados sugerem é que a mudança no clima, através dos efeitos causados na vegetação, foi o fator-chave para reduzir a população de mamutes até à extinção e de muitos outros herbívoros de grande porte"

Os mamutes-lanosos - última espécie pré-histórica que evoluiu do mamute para habitar regiões ao norte do planeta - não foi exterminado pelos humanos. Sua extinção aconteceu por causa da escassez de alimentos, aponta uma pesquisa feita pela Universidade de Durham, na Inglaterra.

Segundo os pesquisadores, após a fase mais fria da última Era do Gelo, há 21.000 anos, houve uma queda dramática na quantidade de pastagem que servia de alimento para os mamutes - que vivia em várias regiões da Europa e avançou até o norte da Sibéria há 14.000 anos, onde finalmente desapareceu há aproximadamente 4.000 anos. A razão que levou à extinção do animal é tema de debate entre muitos especialistas. Alguns dizem que o motivo foi a mudança climática, outros apostam na pressão da crescente população humana e há pesquisadores que acreditam em um cataclisma causado pelo impacto de um meteoro.
 
Agora, de acordo com o pesquisador inglês Brian Huntley, a discussão está encerrada. "O que nossos resultados sugerem é que a mudança no clima, através dos efeitos causados na vegetação, foi o fator-chave para reduzir a população de mamutes até à extinção e de muitos outros herbívoros de grande porte", enfatizou Huntley em entrevista à rede britânica BBC.
 
Simulação - O estudo britânico simulou, por meio de computadores, as condições da vegetação na Europa, Ásia e América do Norte há 42.000 anos, combinando estimativas de como era o clima naquela época com modelos de crescimento de várias plantas sob diferentes condições. O cientistas descobriram que as condições secas e frias da Era do Gelo, aliadas à redução de gás carbônico, não favoreceu o crescimento de árvores. Por isso, começaram a surgir cenários de grandes pastagens sem nenhuma árvore - cenário ideal para herbívoros de grande porte, como os mamutes-lanosos.
 
Contudo, devido ao clima mais quente e úmido e ao aumento da concentração de gás carbônico no fim da Era do Gelo, a paisagem se alterou. "À medida que mudamos para a fase pós-glacial, as árvores começaram a desconfigurar esses ecossistemas, reduzindo a quantidade de alimento disponível em pastagens", explicou Huntley.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados