Mais Lidas

  1. Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se revoltam

    Mundo

    Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se...

  2. Zelotes: Justiça condena 9 réus por ‘venda’ de medidas provisórias

    Brasil

    Zelotes: Justiça condena 9 réus por ‘venda’ de medidas provisórias

  3. Suzane Richthofen deixa cadeia em saída do Dia das Mães

    Brasil

    Suzane Richthofen deixa cadeia em saída do Dia das Mães

  4. STF julga amanhã afastamento de Eduardo Cunha

    Brasil

    STF julga amanhã afastamento de Eduardo Cunha

  5. PMDB insatisfeito com espaço no governo do... PMDB

    Brasil

    PMDB insatisfeito com espaço no governo do... PMDB

  6. Justiça de SP envia a Moro pedido de prisão de Lula

    Brasil

    Justiça de SP envia a Moro pedido de prisão de Lula

  7. Raul Cutait não assumirá Ministério da Saúde

    Saúde

    Raul Cutait não assumirá Ministério da Saúde

  8. Relator do impeachment defende base para processo contra Dilma

    Brasil

    Relator do impeachment defende base para processo contra Dilma

É bom duvidar do aquecimento global. É ruim apostar contra

Um grupo de pesquisadores não se convence de que a Terra esteja esquentando por causa do homem. E isso é bom para a ciência

Por: Daniel Jelin* - Atualizado em

Alguns cientistas contestam a visão de que o mundo está se aquecendo por consequência de atitudes humanas
'Nada é incontestável em ciência', diz o Nobel Ivar Giaever(iStockphoto/Thinkstock/VEJA)

Contam que o filósofo grego Pirro de Élida (séculos IV e III a.C.), pai da escola cética, deixou Anaxarco caído no pântano e seguiu seu passeio, imperturbável, sem se convencer de que o amigo precisava de ajuda. Estava inventando a indiferença - para azar de Anaxarco.

Como Sócrates, Pirro não deixou nada escrito. Coube ao médico Sexto Empírico (séculos II e III d.C.) compilar e dar forma à tradição do ceticismo pirrônico. Ao fazê-lo, distinguiu três tipos de pensador: o dogmático, o acadêmico (da Academia de Platão) e o cético. O primeiro acredita conhecer a verdade. O segundo acha isso impossível. O último continua investigando ('sképsis', donde o termo ceticismo). É uma definição discutível da escola platônica, mas ilustra bem o papel que os céticos reclamam para si: demolir dogmas.

Sexto Empírico foi redescoberto no século XVI. O francês Michel de Montaigne ficou impressionadíssimo. Tornou-se leitor devoto, adotou dos antigos céticos a suspensão do juízo e acabou legando, com seus Ensaios, um novo gênero literário, em que a busca e a experimentação predominam sobre conclusões e teses generalizantes. De um dos Ensaios, consta a famosa divisa que Montaigne mandou gravar numa medalha: 'que sais-je?' ('que sei eu?').

Descartes, no século XVII, também mergulhou fundo na dúvida. Fez tábula rasa do legado dos antigos, chegou a questionar a própria existência, mas emergiu com um tratado para 'bem conduzir a razão e procurar a verdade nas ciências', conforme o subtítulo do famoso Discurso sobre o Método, marco da ciência e da filosofia moderna.

O ceticismo pode ser paralisante, demolidor, prudente ou estimulante. É, de qualquer forma, o estado natural do cientista, e não deveria causar desconforto o fato de um punhado de cientistas não se dobrar à convicção majoritária de que: a Terra está esquentando; a culpa é do homem; as emissões de gases devem ser contidas; se não, virá a catástrofe. Mas causa - e como.

A patrulha - Richard Lindzen, físico respeitado do MIT, não descarta que a temperatura da Terra esteja subindo, nem que o homem tenha parte nisso. Mas - heresia! - acha que o planeta vai se reequilibrar, e que não será preciso reduzir as emissões de gases do efeito estufa 5% abaixo dos níveis de 1990, conforme postula o Protocolo de Kyoto. Seus colegas não perdoam. Christopher S. Bretherton, da Universidade de Washington, acha a posição de Lindzen 'intelectualmente desonesta'. Kerry Emanuel, do mesmo MIT que Lindzen, acha 'antiprofissional e irresponsável'.

As declarações autoritárias de Bretherton e Emanuel, feitas em abril ao New York Times, ilustram a verdade inconveniente que o ex-vice-presidente americano Al Gore não quis ver: para prejuízo da ciência, o tema das mudanças climáticas foi sequestrado por todo tipo de engajamento, os discursos políticos de ocasião, os interesses econômicos e, principalmente, as barulhentas utopias ambientalistas.

O cético Lindzen é um dos 16 autores de um artigo, publicado pelo Wall Street Journal no início do ano, que enfureceu a patrulha ambientalista. Nele, pesquisadores de diferentes disciplinas dizem que 'não é preciso entrar em pânico por causa do aquecimento global', acusam o cerco aos céticos e reclamam o direito - básico - à discordância, mencionando o caso do norueguês Ivar Giaever.

Vencedor do Prêmio Nobel de física de 1973, Giaever se desligou em setembro de 2011 da respeitada Sociedade Americana de Física em protesto contra o engajamento da entidade na causa ambientalista, expressa em um comunicado que dizia haver evidências incontestáveis do aquecimento global. 'Incontestável não é uma palavra científica', disse, na ocasião. 'Nada é incontestável em ciência.'

O pecado dos céticos - Ao artigo de Lindzen e cia., seguiu-se, primeiro, a refutação de 38 cientistas. Em artigo também publicado no WSJ, estes pesquisadores rebatem os dados e acusam os outros 16 de... ignorar o consenso: 'pesquisa mostra que 97% dos cientistas com produção ativa na área concorda que a mudança climática é real e causada pelo homem.' E defendem a reserva de mercado: 'consulte um climatólogo para opiniões sobre o clima'. Paralelamente, a patrulha ambientalista atuou de forma mais pesada e cobriu metade dos 16 cientistas com a suspeita de servir aos interesses da indústria do petróleo e do gás.

Esta reação demonstra algumas das críticas mais recorrentes aos céticos: que eles não publicam suas ideias nas revistas mais importantes; que falam muito à imprensa e pouco nos congressos científicos; que não têm formação em climatologia (ou formação qualquer); que devem seu trabalho ao financiamento das corporações. Há alguma verdade nisso, mas de modo nada surpreendente.

A publicação científica é regulada pelos próprios cientistas (o chamado peer review, a revisão pelos pares), o que torna quase impossível furar uma convicção hegemônica. Em 2003, Chris de Freitas, então editor do Climate Research, foi alvo de uma campanha que pedia seu afastamento por ter permitido a publicação de um artigo da lavra da turma do contra.

Também o financiamento científico é decidido, em grande parte, pelos próprios pesquisadores. Não admira que as vozes dissonantes sejam mais ouvidas fora da panela acadêmica. E que achem financiamento no setor privado, em particular nas corporações mais combatidas pelos ambientalistas, alvo das mais descabeladas propostas de taxação 'verde'. A tal pesquisa que saiu na Climate Research tinha entre seus apoiadores o American Petroleum Institute e a Nasa. Quanto à acusação de melar a observação científica em favor de interesses escusos, bom, aí é reduzir o dissenso à má fé.

Alarmismo a qualquer custo - Na tentativa de tutelar a opinião pública, os engajados não poupam esforços. James Lovelock, o guru dos ambientalistas, chegou a prever que: o flagelo ambiental vai reduzir a população mundial dos atuais 7 bilhões para 600 milhões; o Saara vai avançar sobre a Europa; Miami, Londres e Pequim se tornarão inabitáveis; o resto da humanidade vai viver confinada no Ártico. Quando foi capa da revista Rolling Stone, Lovelock era o incensado 'profeta das mudanças climáticas'. Em maio de 2012, aos 92 anos, Lovelock recuou e admitiu ter exagerado nas previsões (não diga!). Só que agora tentam reduzi-lo a uma caricatura. A explicação: a especialidade de Lovelock não é o clima.

"O ambientalismo tem sido usado para propósitos muito diferentes", diz o jornalista inglês James Delingpole, um dos mais articulados críticos do alarmismo, em entrevista a VEJA desta semana. "Tornou-se um ataque ao sistema capitalista e à liberdade de mercado. Isso ajudou a incrementar taxações e regulamentações que se revelaram um suicídio, e que estão aprofundando a crise econômica."

Foi Delingpole, em seu blog no jornal The Telegraph, quem cunhou a expressão 'climagate' para o escândalo envolvendo cientistas do IPCC, o painel de mudanças climáticas da ONU, vencedor do Nobel da Paz. Em 2009, um grupo de hackers invadiu a conta de e-mails de renomados pesquisadores do painel da ONU e divulgou sua correspondência na internet. Revelou-se então a disposição de alguns trapalhões em esconder dados que não corroboravam o pensamento único do aquecimento global. O climatologista inglês Phil Jones, um dos papas da climatologia, admitiu a manipulação. Em 2010, o painel da ONU sofreu novo abalo quando veio à tona que uma pesquisa que previa o derretimento de todo o gelo do Himalaia até 2035 não tinha fundamento nenhum.

O estado da arte e as incertezas do clima - As escorregadas são graves, mas não desautorizam o IPCC, que continua sendo o principal fórum do clima. A compilação feita pelo painel da ONU é o estado da arte das pesquisas do clima. É fanatismo puro - de sinal trocado - comparar quem leva a sério as conclusões de milhares de cientistas a assassinos notórios, como recentemente fez um think tank de Chicago, o Heartland Institute. Só que não dá para tomar os relatórios do IPCC com uma espécie de consenso definitivo - consenso é para os políticos.

Além de tudo, é bom esclarecer que, da constatação do aquecimento global à identificação das causas, dos efeitos e ações reparadoras, o dissenso aumenta. Assim, são poucos os cientistas que, como o físico brasileiro Luiz Carlos Molion, acreditam que a Terra simplesmente não está esquentando (ao contrário, estaríamos caminhando para uma nova era do gelo) . Menos raros, mas ainda uma minoria, são os que admitem o aumento de temperatura, mas não estão convencidos da influência humana. É gente como Henrik Svensmark, físico dinamarquês, que atribui papel mais decisivo na oscilação da temperatura a explosões estelares a milhões de anos-luz de distância. Quanto à credibilidade dos modelos matemáticos que projetam o futuro do clima, aí a divergência aumenta consideravelmente, e há cenários para todo tipo de espírito: otimistas, moderados, pessimistas, catastrofistas etc.

Em carta aberta à presidente Dilma Rousseff, divulgada em maio, Molion e outros 17 cientistas brasileiros - geólogos, geógrafos, engenheiros, meteorologistas e físicos - fazem uma dura crítica ao alarmismo, negam a influência humana no clima global e cobram 'uma guinada para o futuro' na Rio+20: 'o alarmismo ambientalista, em geral, e climático, em particular, terá que ser substituído por uma estratégia que privilegie os princípios científicos, o bem comum e o bom senso.'

Para o físico e matemático anglo-americano Freeman Dyson, um dos mais moderados críticos da hipótese do aquecimento global causado pelo homem, as modelagens climáticas até funcionam para o movimento da atmosfera e dos oceanos, mas são muito ruins para lidar com as nuvens, os campos e as florestas. "De forma alguma estes modelos descrevem o verdadeiro mundo em que vivemos", diz.

Esta divergência é própria da ciência - em particular das ciências naturais, cujo objeto de estudo não se reproduz em laboratório. Investigar essas zonas cinzentas é justamente o que permite aperfeiçoar as projeções climáticas. Dyson condena o ostracismo a que são condenados cientistas que tentam furar a hegemonia do aquecimento global. "O mundo sempre precisou dos 'hereges' para desafiar as ortodoxias."

"A principal fonte de incerteza para a pesquisa do clima é a influência das partículas de aerossois, nuvens e precipitações na temperatura da Terra", diz o físico Paulo Artaxo, da Universidade de São Paulo. Artaxo é membro da equipe do IPCC e está convencido do impacto humano no clima e da necessidade de baixar as emissões de CO2. "O sistema climático é extremamente complexo e de comportamento caótico. Por causa disso, é muito difícil ou até impossível fazer previsões exatas. E é possível que seja sempre assim", afirma Artaxo. "Mas isso não quer dizer que o homem deva continuar usando os recursos naturais da Terra até que eles se esgotem ou lançando na atmosfera partículas e substâncias poluentes, comprometendo o equilíbrio do planeta."

Ceticismo e imobilismo - Mas afinal, quem tem razão? Que sais-je?! A pergunta pode ser enganosa. Não é necessário dar razão ao IPCC ou aos céticos. Para os pesquisadores que não se entregaram ao engajamento barato, a disputa é uma só: por uma ciência do clima mais robusta.

No fim da vida, o genial matemático, físico e filósofo Blaise Pascal era tudo menos um cético. Cristão fervoroso, retirou-se do mundo e passou a dedicar-se ao proselitismo religioso. Em sua cruzada evangelizadora, desenvolveu um curioso argumento para superar o impasse da fé. O raciocínio é o seguinte: se Deus existe, o fiel se salva, e o infiel é condenado à danação eterna; se Ele não existe, tanto faz ter sido devoto ou não. Disso se deduz que, em qualquer caso, o crente tem muito a ganhar e nada a perder, e o descrente, nada a ganhar e muito a perder. É a chamada 'aposta de Pascal'.

Claro, o argumento perde força - toda a força, pode-se argumentar - quando se considera que o infiel correrá sempre o risco de converter-se à religião errada. Ou quando se descobre que a aposta tem um custo: o tempo de devoção, o sacrifício de certos hábitos etc.

O paralelo com o aquecimento global - feito religião pelos ambientalistas - é tentador. O que se ganha apostando no aquecimento global? Se a maioria dos cientistas estiver mesmo com a razão, temos muito a ganhar ao incentivar desde já uma cadeia produtiva mais limpa e muito a perder se ignorarmos os alertas da comunidade científica. E se o aquecimento global for uma ficção? Ainda assim ganhamos com o combate à poluição, a fiscalização das queimadas, a pesquisa de energias renováveis etc.

Mas aqui também há o risco de converter-se ao 'aquecimento global' errado - daí a enorme responsabilidade do IPCC. A aposta no desenvolvimento sustentável só faz sentido protegida do fanatismo dos que cobram o sacrifício da modernidade, a devoção à causa ambientalista e a interdição do debate científico.

Conheça abaixo algumas das visões alternativas ao aquecimento global:

*(com reportagem de Talita Fernandes)

TAGs:
Aquecimento Global
Clima
Ambiente
Rio+20