Mais Lidas

  1. Grávida de 8 meses, mãe de Isabella Nardoni conta como seguiu em frente: "Lutei muito para ser feliz"

    Brasil

    Grávida de 8 meses, mãe de Isabella Nardoni conta como seguiu em...

  2. Linda, poderosa e ex-miss-bumbum: conheça a primeira-dama do Ministério do Turismo

    Brasil

    Linda, poderosa e ex-miss-bumbum: conheça a primeira-dama do...

  3. Ministro do STF nega providências em pedido de impeachment contra Michel Temer

    Brasil

    Ministro do STF nega providências em pedido de impeachment contra...

  4. Eleita, comissão do impeachment no Senado tem apenas 5 votos a favor de Dilma

    Brasil

    Eleita, comissão do impeachment no Senado tem apenas 5 votos a...

  5. Delegação brasileira fala em retaliação por impeachment e abandona reunião do Mercosul

    Brasil

    Delegação brasileira fala em retaliação por impeachment e abandona...

  6. Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”

    Brasil

    Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”

  7. Silvio Santos ironiza votação do impeachment: ‘Demorou muito’

    Entretenimento

    Silvio Santos ironiza votação do impeachment: ‘Demorou muito’

  8. Se Temer aceitar propostas, PSDB deve participar do governo, diz Serra

    Brasil

    Se Temer aceitar propostas, PSDB deve participar do governo, diz Serra

Quem é Erenice Guerra

A ficha da ministra da Casa Civil, sucessora de Dilma Rousseff, revela um histórico de casos polêmicos

- Atualizado em

Braço direito de Dilma Rousseff, Erenice Guerra, 51 anos, tornou-se ministra-chefe da Casa Civil em abril deste ano, quando Dilma saiu do posto para disputar a Presidência. Antes, tentou, sem sucesso, ocupar uma cadeira no Tribunal de Contas da União (TCU) e no Superior Tribunal Militar (STM). Formada em direito, filiou-se ao PT em 1981.

Veja abaixo escândalos envolvendo a ministra:

Lobby na Casa Civil

setembro de 2010 Reportagem de VEJA revelou que o filho de Erenice, Israel Guerra, comanda, com ajuda da ministra, um esquema de lobby dentro da Casa Civil. Por meio do pagamento de uma "taxa de sucesso", o filho da ministra facilita a aproximação entre empresários e o governo. Um empresário do setor aéreo relatou ter conseguido contratos de R$ 84 milhões nos Correios após pagar um percentual de 6% ao grupo de lobistas. Nesta segunda-feira, 13, um dos assessores da Casa Civil citados no esquema, Vinícius de Oliveira Castro, pediu demissão.

Em prol dos Sarney

agosto de 2009 A pedido de Dilma Rousseff, Erenice Guerra foi ao gabinete da então secretária da Receita Federal, Lina Vieira, para agendar uma reunião entre as duas. Na ocasião, Dilma pressionou Lina a encerrar uma investigação do Fisco sobre a família de José Sarney. Dilma negou o encontro. Lina revelou detalhes sobre ele, citando Erenice. As imagens do circuito interno de TV do Palácio do Planalto, que poderiam comprovar ou desmentir a reunião, sumiram, como revelou VEJA em julho de 2010.

Dossiê contra FHC

abril de 2008 Como secretária-executiva da Casa Civil, Erenice Guerra comandou a elaboração de um dossiê sobre gastos pessoais do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso. O documento seria usado para chantagear políticos da oposição, em revanche às revelações de gastos de ministros de Lula feitas pela CPI dos Cartões Corporativos. O governo blindou Erenice e Dilma. A número 2 da Casa Civil sequer foi citada na sindicância interna sobre o caso.
TAGs:
Dilma Rousseff
Erenice Guerra
Ministérios
Palácio do Planalto
PT