tarja Caso Yoki

Crimes

Por que amor, ciúme e morte andam juntos na crônica policial

Especialistas explicam o comportamento de pessoas que assassinam companheiros. Relembre sete episódios famosos no Brasil

Marina Pinhoni
  • Policial carrega boneco que representou o executivo na reconstituição do crime, em São Paulo

    Alex Falcão/FuturaPress

  • Policiais realizaram perícia no apartamento do empresário Marcos Kitano Matsunaga, em São Paulo

    Alex Falcão/FuturaPress

  • A viúva Elize Matsunaga chega ao DHPP, em São Paulo

    Nilton Fukuda/AE

  • Câmeras de segurança mostra o executivo da Yoki, Marcos Kitano Matsunaga, no elevador do prédio onde morava

    Reprodução

  • Câmera de segurança mostra Elize Matsunaga saindo com malas do prédio onde morava com o executivo da Yoki

    Reprodução

  • Elize Matsunaga, mulher do empresário Marcos Kitano Matsunaga, detida após ter a prisão temporária decretada

    Carlos Pessuto/FuturaPress

Foto 0 / 6

Ampliar Fotos

Partes de um corpo humano encontrados em sacos plásticos em um matagal. Na cabeça da vítima esquartejada, um ferimento feito à bala. O assassinato do empresário Marcos Kitano Matsunaga, de 42 anos, chama a atenção não apenas pela brutalidade, mas também por uma característica recorrente na crônica policial: o crime passional. Na quarta-feira, em depoimento à polícia, Elize Kitano Matsunaga, de 38 anos, mulher do ex-diretor executivo da Yoki, confessou a autoria do assassinato. A motivação, segundo ela ela, foi a infidelidade por parte do marido. Elize disse que, na noite do crime, disparou a pistola contra Marcos depois de os dois discutirem por causa das traições dele. Em seguida, ela arrastou o corpo para o quarto de hóspedes, onde o esquartejou.

A memória de outros episódios construídos por amor, ciúme e morte ainda é presente. Um exemplo foi a condenação de Lindemberg Alves pelo assassinato da ex-namorada Eloá Cristina Pimentel, de 15 anos, após o mais longo cárcere privado da história policial de São Paulo. Ele não aceitava o fim do relacionamento. Confira na lista abaixo outros crimes passionais que tiveram grande repercussão no Brasil.

Mas o que leva alguém à decisão extrema de matar uma pessoa com quem mantém ou manteve um relacionamento afetivo? Para especialistas ouvidos pelo site de VEJA, não é possível estabelecer um padrão de comportamento que explique todos os casos. Entretanto, há, sim, uma característica comum nos episódios: os crimes são motivados por sentimentos como ciúmes, insegurança e necessidade de posse elevados à potência máxima.

Para o psiquiatra forense Guido Palomba, a maneira de lidar com esses sentimentos exacerbados é o que diferencia o comportamento considerado normal de outro propenso à execução de atos extremos, como um assassinato. “Todos nós sentimos ciúmes, mas ponderamos nossas atitudes de acordo com nossos valores morais e éticos”, afirma Palomba. “Algumas pessoas, entretanto, possuem estrutura psicológica mais frágil e têm mais dificuldades para lidar com frustações e normalmente julgam que têm poder ilimitado sobre outras pessoas. Em certas circunstâncias, cometem o delito."

De acordo com Palomba, o ciúme extremo pode levar a quadros patológicos. Para evitá-los, é necessário atenção aos sinais apresentados pelo parceiro. “Há sempre indicadores, como o controle excessivo. Quando aparecem as ameaças e as agressões propriamente, o caso é realmente sério”, afirma o psiquiatra.

Na opinião de Daniel Martins de Barros, psiquiatra do Núcleo de Psiquiatria Forense do Hospital das Clínicas (HC-SP), a hipótese de patologia não pode reduzir a responsabilidade do crimonoso por seus atos. “O ser humano é um ser racional e nossos afetos são subordinados à razão”, afirma Barros. “A paixão não exclui a responsabilidade do ser apaixonado, que deve responder criminalmente por seus atos, se for o caso. Hoje, não se aceita mais o argumento do ciúme extremo como explicação para um crime desse tipo, o que revela amadurecimento da própria sociedade”.

Oito crimes passionais que chocaram o Brasil

1 de 8

Caso Eloá Pimentel

Eloá Cristina Pimentel, 15 anos, na janela do apartamento onde Lindemberg Fernandes Alves manteve ela como refém, em 2008 (Danilo Verpa/Folhapress)

Foi o mais longo cárcere privado da história policial de São Paulo. Em 13 de outubro de 2008, inconformado com o fim do namoro, Lindemberg Alves Fernandes tomou como reféns a ex-namorada Eloá Pimentel e uma amiga dela, Nayara Rodrigues, ambas com 15 anos de idade, em Santo André, no ABC paulista. A polícia cercou o cativeiro, mas não obteve sucesso na negociação com o sequestrador. Após cem horas de terror, Lindemberg atirou contra as duas jovens. Nayara foi atingida no rosto, mas sobreviveu. Eloá morreu com um tiro na cabeça e outro na virilha.

Em fevereiro, o ex-motoboy foi condenado a uma pena de 98 anos e dez meses de prisão, pelos doze crimes dos quais foi acusado: homicídio qualificado de Eloá, tentativa de homicídio de Nayara e do sargento da Polícia Militar Atos Valeriano, sequestro e cárcere privado de Eloá, Nayara e de outros dois jovens que ficaram reféns, Victor Lopes de Campos e Iago Vilela de Oliveira, além de disparo de arma de fogo.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados