tarja-rio+20

Preparativos

Cúpula dos Povos será no Parque do Flamengo

Prefeitura cede às ONGs e dispõe-se a buscar alojamento para dez mil participantes, em locais próximos à área onde se concentrarão os eventos paralelos à conferência

Luis Bulcão, do Rio de Janeiro
O Parque do Flamengo, no Rio de Janeiro

O Parque do Flamengo, no Rio de Janeiro (Fernando Lemos)

Agora é oficial. A Cúpula dos Povos, reunião de ONGs e representantes da sociedade civil que ocorrerá entre os dias 13 e 22 de junho, paralelamente à conferência da ONU na Rio+20, vai ser mesmo no Parque do Flamengo. A prefeitura havia proposto a transferência do evento, que deve reunir 20 mil pessoas, para a Quinta da Boa Vista, na zona Norte da cidade, movida fundamentalmente pela preocupação com o alojamento dos participantes e o impacto que um acampamento de grandes proporções teria sobre o parque, que é tombado. Mas os organizadores queriam concentrar as atividades no Flamengo para manter a conexão histórica do movimento com a Rio 92, quando o parque tornou-se o símbolo da conferência. Nesta segunda-feira, o prefeito Eduardo Paes se dispôs a procurar alojamentos em prédios públicos próximos à área para abrigar dez mil participantes. Outras dez mil pessoas ficarão em hotéis ou serão hospedadas em casa de voluntários.

De acordo com Fátima Mello, representante do Comitê Facilitador da Sociedade Civil para a Rio+20, a solução é ideal para evitar transtornos para a cidade durante a realização do evento. "Receberemos diversos grupos de indígenas, camponeses, quilombolas. É importante que fiquem alojados em um local próximo às atividades para evitar deslocamentos pela cidade", afirma.

Sem acampamento - O secretário de obras e conservação da prefeitura do Rio, Carlos Roberto Osório, descartou a possibilidade de acampamento no Parque do Flamengo. Segundo ele, a prefeitura tomou a decisão em concordância com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e com os responsáveis pela segurança da conferência. "É um parque tombado, que não comporta esse tipo de ocupação. Além disso, tem duas pistas de alta velocidade que cortam o parque, com alta ocorrência de acidentes. Não seria prudente a circulação de pessoas ali à noite", afirma.

Osório informou que o mapeamento de edificações públicas que possam abrigar os visitantes será entregue aos organizadores da cúpula na quarta-feira. Além de locações da prefeitura, existem outros pontos que poderiam receber os acampamentos. Osório cita o campus da UFRJ, na Urca, e armazéns do Cais do Porto. O secretário confirmou também que as atividades da Cúpula dos Povos serão realizadas no Parque do Flamengo, mas que áreas com gramado e vegetação serão poupadas. As atividades deverão ficar concentradas entre aeroporto Santos Dumont e a Marina da Glória, na área onde ficam o Monumento aos Pracinhas, o Vivo Rio e o Museu de Arte Moderna.

Segundo Fátima Mello, o número de participantes deve aumentar durante as mobilizações dos grupos. Os organizadores também esperam receber muitos visitantes, como alunos de escolas da região. "Vai ter muita coisa acontecendo. Estamos programando um espaço que vai se chamar território do futuro, onde vamos desenvolver atividades com energia solar, com agroecologia e economia solidária que deve atrair muita gente", afirma a organizadora.
 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados