Último a ir às urnas, Putin vota em colégio eleitoral de Moscou

Moscou, 4 mar (EFE).- O candidato favorito a vencer as eleições presidenciais da Rússia, o primeiro-ministro Vladimir Putin, foi votar acompanhado de sua mulher em um colégio eleitoral de Moscou.

‘Dormi bem, fiz exercícios e depois vim votar’, declarou o candidato da governista Rússia Unida, citado pela agência ‘Interfax’.

Sobre as irregularidades que estariam ocorrendo em todo o país, o primeiro-ministro garantiu que ainda não entrou em contato com os chefes de sua campanha eleitoral.

Ele declarou que espera ‘uma boa participação’ dos eleitores no pleito: ‘tenho certeza que as pessoas atuarão com responsabilidade’.

Favorito a vencer as eleições, como apontam todas as pesquisas de intenções de voto, Putin foi o último dos cinco candidatos à Presidência da Rússia a votar.

Pouco antes foi a vez do líder da social-democrata Rússia Justa, Sergey Mironov, que após votar revelou aos jornalistas que este domingo será o único dia para escolher o próximo chefe de Estado russo.

‘Tenho certeza que não haverá segundo turno nestas eleições presidenciais, já que o presidente será eleito em primeiro turno’, declarou o candidato.

Mironov confessou que não confia no processo eleitoral e demonstrou que a esperança é que ‘a situação real das preferências políticas dos russos será dada pela apuração alternativa de votos’.

Ele fez referência à iniciativa da ONG Golos, defensora dos direitos dos eleitores, que fará uma apuração paralela dos votos em todos os colégios de Moscou e em outros 10 mil no país.

O primeiro aspirante à Presidência a votar foi o bilionário e candidato independente Mikhail Prokhorov, que ao contrário dos demais de seus rivais votou em seu estado de origem, na região siberiana de Krasnoyarsk, a mais de 4 mil quilômetros da capital russa.

Pouco depois fez o mesmo em Moscou Vladimir Jirinovsky, candidato pelo Partido Liberal Democrático da Rússia (PLDR), que criticou as cabines de votação.

‘Não são cabines, mas uma profanação. Posso ver o que o eleitor está fazendo. Não é uma cabine de votação secreta’, sustentou Jirinovsky na saída do colégio eleitoral de Moscou.

O candidato comunista Gennady Zyuganov, após votar em um colégio eleitoral de Moscou, não quis falar aos jornalistas se acredita na realização de um segundo turno, limitou-se a dizer ‘que quanto maior a participação maior será a concorrência’.

A participação às 13h de Moscou (6h de Brasília) alcançava 31,1% do censo, segundo a Comissão Eleitoral Central (CEC) russa, apesar de já terem fechado os colégios eleitorais das regiões mais orientais do país, as menos povoadas.

Enquanto isso, formações políticas, sociais e ONGs denunciaram inúmeras irregularidades em toda a Rússia.

O Partido Comunista da Rússia (PCR) contabilizou mais de 40 irregularidades somenta na capital russa, enquanto o grupo opositor Liga dos Eleitores e a ONG Golos denunciaram que os eleitores estão sendo levados em grupos aos colégios eleitorais de Moscou para votar.

Por sua vez, o partido liberal Yabloko, cujo líder Grigory Yavlinsky foi vetado para concorrer nestas eleições, denunciou com os observadores de Prokhorov mais de 2 mil irregularidades nos colégios de todo o país. EFE