Tripla explosão perto de santuário xiita mata 45 na Síria

Fundamentalistas sunitas do Estado Islâmico assumiram a autoria dos ataques, que deixaram outras 110 pessoas feridas

Três explosões perto do santuário xiita de Sayeda Zeinab, ao sul de Damasco, na Síria, mataram pelo menos 60 pessoas e outras mais de 100 ficaram feridas neste domingo, segundo informações da agência oficial síria Sana. Fundamentalistas sunitas do Estado Islâmico assumiram a responsabilidade pelos ataques, de acordo com a Amaq, uma agência de notícias que apoia o grupo

A televisão estatal síria informou que as explosões teriam partido de um carro e dois homens-bomba que passavam pelo local. Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), o número de vítimas, que incluem muitos civis, já teria chegado a 47. O balanço ainda pode aumentar em razão do grande número de feridos em estado grave. Uma fonte do Ministério do Interior disse que um grupo de militantes havia detonado um carro-bomba perto de uma garagem de transporte público na área do bairro Koua Sudan. Dois homens-bomba, então, detonaram seus explosivos perto de onde as pessoas estavam sendo resgatadas.

Leia também:

Bombardeios russos provocaram morte de 332 menores de idade na Síria

Bombardeios da coalizão internacional na Síria mataram 4.272 em 16 meses

Estado Islâmico sequestra 400 civis em cidade síria

“Os corpos ainda estavam sendo retirados dos destroços”, disse uma testemunha ao canal de notícias estatal Ekhbariya. O premiê sírio, Wael al-Halaki, afirmou que os ataques foram planejados por grupos terroristas que tentavam “levantar sua moral, após uma série de derrotas” para o exército. A Organização das Nações Unidas (ONU) disse que está se preparando para seis meses de negociações, primeiro buscando um cessar-fogo para, posteriormente, trabalhar em direção a uma solução política para a Síria.

A mesquita de Sayeda Zeinab abriga o mausoléu de uma das netas do profeta Maomé. Muitos peregrinos xiitas do Irã, Iraque, do Golfo e do Líbano visitam o local diariamente. Em fevereiro de 2015, a mesquita já havia sido alvo de um ataque suicida que matou quatro pessoas e feriu 13 em um posto de controle perto do santuário. No mesmo mês, uma explosão teve como alvo um ônibus de peregrinos xiitas libaneses que visitavam o local, matando pelo menos nove pessoas em um ataque reivindicado pela Frente Al-Nosra, o ramo sírio da Al-Qaeda.

(Da redação)