Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tribunal de Israel diz que morte de ativista foi ‘acidental’

A americana Rachel Corrie morreu atropelada durante um protesto em 2003

Um tribunal israelense determinou nesta terça-feira que a morte da ativista americana Rachel Corrie em 2003 foi acidental. Corrie, de 23 anos, morreu atropelada por uma escavadeira do exército de Israel enquanto tentava impedir a destruição de casas de civis palestinos em Rafah, na Faixa de Gaza. A ativista fazia parte de um grupo pró-Palestina chamado International Solidarity Movement (ISM).

No veredicto, o juiz do caso afirmou que a morte de Corrie foi um “acidente lamentável”, mas eximiu o estado de Israel de qualquer culpa no episódio. Os pais da americana, Craig e Cindy, haviam aberto o processo civil acusando Israel de ter matado Corrie intencionalmente e, depois, de ter falhado em conduzir uma investigação confiável. Em 2003, um relatório do exército israelense também concluiu que a morte da ativista havia sido acidental.

Leia também:

Israel x Palestina: dos dois lados do muro

Vidas que levam as marcas da Segunda Intifada

Área de combate – Em sua decisão, o juiz Oded Gershon disse que a americana estava protegendo terroristas em uma área de combate demarcada. “Ela não manteve distância do local, como qualquer pessoa razoável faria”, afirmou. Segundo o magistrado, o motorista da escavadeira não viu Corrie. Na ocasião, a americana vestia um casaco laranja e gritava palavras de ordem em um megafone.

Israel justificou a operação contra as casas palestinas argumentando que o local servia de esconderijo para militantes terroristas.

Segundo a rede de notícias britânica BBC, após a decisão do tribunal, os pais de Corrie se disseram “profundamente perturbados” e acusaram Israel de proteger as suas Forças Armadas ao custo de civis.