Telas de Van Gogh roubadas pela máfia são achadas na Itália

Os quadros "A igreja protestante de Noenen" e "A praia de Scheveningen ao começar da tempestade" estão avaliadas em, pelo menos, 30 milhões de euros

A polícia italiana anunciou nesta sexta-feira que foram recuperados dois quadros do pintor holandês Vicent Van Gogh (1853-1890) que haviam sido roubados de um museu na Holanda há quase 14 anos. As pinturas foram encontradas durante uma operação contra o grupo mafioso Camorra em Castellammare di Stabia, próximo à cidade de Nápoles, no sul da Itália.

As telas “A igreja protestante de Noenen” e “A praia de Scheveningen ao começar da tempestade” estão avaliadas em, pelo menos, 30 milhões de euros (mais de 100 milhões de reais). Segundo o ministro de Bens Culturais e Turismo da Itália, Dario Franceschini, a descoberta “confirma a hipótese de que as organizações criminosas estão muito interessadas em obras de arte, utilizando-as como uma forma de investimento”.

O roubou aconteceu em 7 de dezembro de 2002 no Museu Van Gogh, em Amsterdã. Os assaltantes entraram pelo telhado do museu e durante o furto também levaram outras pinturas famosas. O crime foi considerado pelo FBI (polícia federal americana) como um dos dez maiores relacionados à arte na história. Na época, dois suspeitos foram presos, mas nunca confessaram o roubo.

van-gogh_02

“A igreja protestante de Noenen”, de Van Gogh

(Com ANSA)