Palestinos presos em Israel iniciam greve de fome

Protesto, que não tem data para acabar, é contra o isolamento carcerário

Milhares de palestinos presos nas penitenciárias de Israel iniciaram nesta quarta-feira uma greve de fome para denunciar o isolamento carcerário, informou o ministro palestino para os Prisioneiros, Issa Qaraqae. “Posso confirmar que todos os palestinos detidos nas prisões israelenses iniciaram uma greve de fome de três dias, que pode ser prolongada, como advertência à administração israelense”, declarou.

“Quase 200 presos da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP) e outros iniciaram na terça-feira uma greve de fome ilimitada para protestar contra o isolamento contínuo de seu secretário-geral, Ahmad Saadat, há quatro anos”, afirmou o ministro palestino. “Há presos isolados há 10 anos”, completou Qaraqae, antes de destacar que o protesto também é uma denúncia a respeito das medidas punitivas contra os prisioneiros.

“As autoridades penitenciárias adotaram graves sanções e medidas sem precedentes, provocando a rebelião dos prisioneiros contra todas as regras nas prisões da ocupação”, destacou, ainda. Mais de 5.000 palestinos, incluindo 200 menores de idade, estão detidos em Israel, segundo a organização israelense de defesa dos direitos humanos B’Tselem.