Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministro das Finanças reuniu-se dezesseis vezes com executivos de Murdoch

George Osborne teve encontros com Rebekah Brooks, Rupert e James Murdoch

O ministro das Finanças britânico, George Osborne, reuniu-se com executivos de empresas do magnata Rupert Murdoch por dezesseis vezes desde a eleição de maio de 2010, informou o governo britânico. A informação foi divulgada em resposta ao escândalo das escutas telefônicas envolvendo um dos jornais de Murdoch, que chamou a atenção para o relacionamento estreito entre políticos e meios de comunicação.

Uma lista dos encontros de Osborne com funcionários de empresas de comunicação desde maio de 2010 mostra que ele teve cinco encontros com Rebekah Brooks, executiva da News International (braço britânico da News Corp., de Murdoch). Ela se demitiu neste mês pressionada pelo escândalo dos grampos. Osborne se reuniu duas vezes com Rupert Murdoch para “discussões gerais” e quatro vezes com James Murdoch, filho de Rupert. Ele também se reuniu com executivos de mídia de outras organizações em 38 ocasiões.

Jeremy Hunt, o secretário de Cultura, que supervisionou a oferta de comprar a BSkyB por parte da News Corp, teve dois encontros com James Murdoch em janeiro para discutir o processo em torno da proposta. A oferta foi anulada devido à repercussão da crise dos grampos.

Premiê – O primeiro-ministro britânico, David Cameron, o vice-primeiro-ministro, Nick Clegg, e o líder trabalhista, Ed Milliband, já divulgaram detalhes das reuniões que eles próprios tiveram.Cameron e Osborne são do Partido Conservador, que formou uma coalizão com os democratas liberais de Clegg nas eleições de 2010, afastando os trabalhistas do poder.

Revisão – A Trinity Mirror, empresa que publica o tabloide de massas “Daily Mirror”, disse nesta terça-feira que lançou uma revisão de seus controles e procedimentos editoriais. O porta-voz da empresa, Nick Fullagar, disse que não se trata de uma investigação sobre novas acusações de grampos telefônicos – mas reconheceu que o escândalo que envolveu o tabloide News of the World levou o grupo à revisão de seus procedimentos.

(Com agência Reuters)