Melhore ou retiro meu apoio, diz mulher de presidente da Nigéria

Aisha Buhari, esposa do presidente Muhammadu Buhari, disse que não irá apoiá-lo à reeleição sem que faça mudanças em sua gestão

Casada com o presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, há 27 anos, a primeira-dama Aisha Buhari questionou abertamente o governo de seu marido. Em entrevista à rede BBC nesta sexta-feira, Aisha afirmou que não irá apoiar o esposo à reeleição em 2019, se ele continuar a cometer erros em sua gestão.

De acordo com a primeira-dama, Buhari desconhece grande parte das pessoas que nomeou para altos cargos no governo. “O presidente não conhece 45 das 50 pessoas que apontou e eu também não, apesar de ser sua esposa”, disse à BBC. Aisha afirmou que há postos ocupados por figuras que não compartilham a visão do Congresso de Todos os Progressistas (APC), do qual o presidente faz parte, mas que estão lá por causa de “nomes influentes”.

Ditador militar na década de 1980, Buhari foi eleito em sua quarta corrida à presidência, em 2015, por meio de uma coalizão que inclui ex-inimigos e oportunistas que abandonaram o antigo partido governista. A Nigéria passa por uma recessão econômica devido à queda nos preços do petróleo e à perda da posição de maior produtor da África, com ataques de manifestantes a oleodutos no sul do país.

Segundo a primeira-dama, Buhari ainda não sabe se irá concorrer à reeleição quando terminar o mandato, mas Aisha já deixou um alerta ao esposo. “Ele ainda não me disse, mas como sua esposa decidi que se as coisas continuarem assim até 2019, não vou sair em campanha novamente e nem pedir que as mulheres votem nele, como já fiz”, confirmou.

 (Com Estadão Conteúdo)