Irã afirma que acusações ocidentais têm motivação política

As reações dos Estados Unidos e dos países europeus que chamaram de provocação o anúncio de enriquecimento de urânio na nova central iraniana de Fordo têm motivação política, afirmou o governo do Irã, ao mesmo tempo em que o presidente Mahmud Ahmadinejad recebeu na América Latina o apoio do colega venezuelano Hugo Chávez.

“Todas as atividades nucleares do Irã, em particular o enriquecimento de urânio em Natanz e Fordo, estão sob vigilância dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e suas câmeras vigiam estas atividades as 24 horas do dia”, afirmou Ali Asghar Soltanieh.

“As reações são exageradas e têm motivação política”, completou.

A AIEA confirmou na segunda-feira que o Irã iniciou a produção de urânio enriquecido a 20% em Fordo, central protegida por uma montanha e difícil de ser alvo de um eventual ataque.

O governo dos Estados Unidos denunciou uma “nova escalada na violação das obrigações na área nuclear” do Irã.

Alemanha, França e Grã-Bretanha também criticaram o Irã. A União Europeia (UE) antecipou para 23 de janeiro a reunião de ministros das Relações Exteriores do bloco, inicialmente fixada para o dia 30, na qual devem ser aprovadas novas sanções contra o Irã por seu programa nuclear.

Na segunda-feira, o presidente Hugo Chávez afirmou que Venezuela e Irã continuarão trabalhando juntos, ao receber em Caracas seu “irmão”, Mahmud Ahmadinejad, que iniciou um giro por quatro países da região, hostis a Washington.

“Há vontade de que nossos governos continuem a trabalhar juntos (…) para frear a loucura imperialista que agora se desatou como nunca antes em muito tempo e com um poder terrível, ameaçador”, advertiu Chávez no pátio do Palácio Miraflores, sede da presidência, onde o chefe de Estado iraniano foi recebido com honras militares.

“Hoje o povo venezuelano e o iraniano estão em um caminho de luta contra toda a avareza e a arrogância do imperialismo”, disse Ahmadinejad durante o ato, transmitido por rede de rádio e televisão.

Chávez e Ahmadinejad, que fortaleceram uma aliança nos últimos anos, marcada por uma hostilidade comum com relação a Washington, se cumprimentaram como “irmãos”, antes de uma reunião na qual revisarão acordos bilaterais.

O presidente iraniano disse em Caracas que os Estados Unidos “não sabem de nada” quando acusam o Irã de tentar obter uma bomba nuclear.

“Não sabem de nada do que ocorre. Isto é uma piada, algo para rir”, afirmou Ahmadinejad sobre a denúncia de Washington de que Teerã busca uma arma nuclear.

Os Estados Unidos “têm medo do nosso desenvolvimento, não querem que nossa economia se desenvolva, não querem nossa industrialização”, disse o líder iraniano.

Chávez, acusou Washington de usar a questão nuclear como “desculpa para fazer o que fizeram no Iraque, sob a alegação (da presença) de armas de destruição em massa…”.