Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Grupo de deputados protesta contra UE na primeira sessão da Câmara Europeia

Deputados europeus viraram de costas durante a execução do hino da União Europeia. A atitude foi criticada pelos colegas e pelo novo presidente da Câmara

A primeira sessão da nova legislatura do Parlamento Europeu começou nesta terça-feira em Estrasburgo, na França, com protestos de dezenas de deputados antieuropeus contra União Europeia (EU). A sessão teve início com interpretação do Hino à Alegria, de Beethoven, pela Filarmônica de Estrasburgo, adotado como hino da UE há vários anos. Com as pessoas de pé na Câmara, dezenas de deputados de partidos antieuropeus deram as costas como sinal de rejeição ao projeto europeu.

A afronta teve repercussão imediata no Twitter de vários deputados, que criticaram o gesto. O francês Philippe Juvin, membro do Partido Popular Europeu (de orientação conservadora), chamou os eurocéticos de “fúteis, 100 anos depois do suicídio coletivo”, em referência ao início da I Guerra Mundial. “Rejeitar a fraternidade não fará com que as coisas avancem”, escreveu a deputada europeia liberal francesa Sylvie Goulard.

Leia também

Juncker é indicado à Presidência da Comissão Europeia

Partidos anti-UE se destacam nas eleições europeias

Quem são os inimigos da ideia europeia?

A Câmara Europeia iniciou nesta terça-feira a nova legislatura, depois das eleições de maio nas quais os partidos antieuropeus e de extrema-direita venceram em vários países. Na sessão, o social-democrata alemão Martin Schulz foi reeleito presidente do Parlamento Europeu por 409 votos, em um total de 612. Schulz, que foi presidente da Câmara durante a legislatura anterior por dois anos e meio, volta a ocupar o cargo por mais dois anos e meio em consequência de um acordo entre socialistas e conservadores do Partido Popular Europeu.

Assim como na legislatura anterior, os dois blocos concordaram em dividir a presidência do Parlamento por períodos iguais no mandato de cinco anos. “É uma responsabilidade que assumo e aceito”, declarou Schulz no plenário. “Estamos diante de um processo de mudança”, completou. “O Parlamento agora é inevitável”, destacou, ao recordar que graças ao processo defendido pela Câmara, Jean-Claude Juncker foi designado como presidente da Comissão Europeia pelos 28 países do bloco.

Artigo: Harold James: Europa e Anti-Europa

Como uma advertência para os partidos antieuropeus e de extrema-direita que protestaram mais cedo, o novo presidente disse que não aceitará aqueles que não respeitam as regas da dignidade humana.

(Com agência France-Presse)