Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Filho de Caroline de Mônaco se envolve em briga em bar de Nova York

Washington, 20 fev (EFE).- Pierre Casiraghi, filho da princesa Caroline de Mônaco, ficou ferido no rosto neste fim de semana em uma briga em um bar de Nova York.

A briga aconteceu no clube ‘Double Seven’ no Meatpacking District, em Manhattan, na madrugada do sábado, afirmou o jornal ‘New York Post’.

Casiraghi teve que ser hospitalizado no Centro Médico New York Presbyterian Weill Cornell em consequência dos ferimentos que sofreu no rosto, mas recebeu alta no mesmo dia.

Pierre é o filho mais novo dos três filhos de Caroline com seu segundo marido, Stefano Casiraghi.

O jovem, de 24 anos, e seus amigos se estranharam com um grupo no qual se encontrava o empresário Adam Hock, segundo indicaram várias testemunhas, embora as versões sobre quem começou a disputa sejam diferentes.

A disputa começou quando Casiraghi, acompanhado de Stavros Niarchos III, ex-namorado de Paris Hilton, de 26 anos; Vladimir Restoin Roitfeld, 27 anos, e Diego Marroquin, de 33, se aproximaram da mesa de Hock.

Aparentemente, os jovens começaram a incomodar Hock, de 47 anos, e seu grupo, no qual estava o dono do ‘Double Seven’, Jeffrey Jah; o cabeleireiro dos famosos Joel Warren e as modelos Natasha Poly, Zelyaeva Valentina e Anja Rubik.

Em seguida começou a briga que, segundo testemunhas, deixou ensanguentado o rosto do filho da princesa com ‘cortes profundos’ que faziam parecer que poderia necessitar de cirurgia plástica.

Hock foi acusado de quatro crimes de ataque em terceiro grau pelas supostas agressões a Casiraghi, Restoin Roitfeld, Marroquín e Niarchos.

O empresário compareceu no domingo perante a Corte Penal de Manhattan na qual assegurou que agiu em defesa própria e perguntou por que não havia acusações contra Casiraghi e seus amigos.

Hock foi posto em liberdade sob sua própria responsabilidade e deve retornar à corte no mês que vem.

A Casa Real de Mônaco não fez comentários sobre o incidente, segundo a revista ‘People’.

‘Não podemos comentar atualmente porque não temos informação sobre isso’, disse nesta segunda-feira um porta-voz à revista. EFE