Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dirigente de grupo extremista judeu diz que “é preciso queimar igrejas”

'Se os comentários não levam a decisão de acusá-lo, podemos dizer que a lei israelense permite a incitação ao racismo e à violência', disse o rabino Gilad Kariv

O chefe do grupo extremista judeu Lehava, Benzi Gopstein, contrário às relações entre judeus com pessoas de outras religiões, à homossexualidade e a outras religiões, disse em um encontro com estudantes rabínicos que as igrejas católicas devem ser queimadas – reporta a imprensa israelita nesta quinta-feira.

O rabino Moshé Klein, presente na discussão, questionou a afirmação e alegou que, nestes tempos de acirramento de posições e extremismos, a proposta de Gopstein deve ser combatida. Após as réplicas, Gopstein disse estar “disposto a ficar na prisão por 50 anos” por suas declarações, e garantiu que elas não buscavam incitar, mas eram apenas suas opiniões.

Leia também

Morre adolescente esfaqueada por extremista judeu no desfile do Orgulho Gay em Jerusalém

Bebê palestino morre queimado em ataque de colonos israelenses

Saiba quais são os dez piores países para ser cristão

O Centro de Ação Religiosa de Israel, braço legal do grupo social e religioso judeu Movimento Reforma, mostrou sua preocupação com as declarações de Gopstein. O mesmo grupo já tinha solicitado há anos atrás a um promotor do Estado o monitoramento de Gopstein por sua postura radical. “Se estes comentários não levam a uma rápida decisão de acusá-lo, podemos dizer publicamente que a lei israelense permite a incitação ao racismo e à violência”, sustentou o diretor do Movimento, o rabino Gilad Kariv, em declarações ao site do no jornal Haaretz. “O que mais tem que acontecer para que o Estado de Israel lute seriamente contra aqueles que decidiram alimentar o fogo do ódio e do fanatismo?”, questionou.

As palavras de ódio foram divulgadas em um momento em que sociedade e autoridades israelenses estão comovidas pelos violentos ataques de extremistas judeus na semana passada contra a Parada do Orgulho Gay e contra uma casa palestina, que mataram um bebê palestino e uma adolescente israelense. Por causa destes fatos, o governo israelense aprovou no domingo passado medidas excepcionais contra os radicais judeus e equiparou-os a terroristas.

(Da redação)