Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com missa, cardeais iniciam ritos para eleger novo papa

Celebração antecede o início do conclave, que começa na tarde desta terça

O dia aguardado por centenas de milhões de católicos chegou. Nesta terça-feira, no Vaticano, os 115 cardeiais que irão escolher o novo papa da Igreja Católica dão início ao conclave que irá determinar quem entre eles vai suceder Bento XVI, que surprendeu o mundo ao anunciar sua renúncia no mês passado. A primeira votação, caso ocorra, só será à tarde, após os cardeais se trancarem na Capela Sistina.

Leia também:

Procura-se um papa que saiba dialogar com o século XXI

Entre os favoritos para se tornar o novo papa, um brasileiro

Mas os rituais para o conclave já começaram pela manhã com a missa “Pro Eligendo Pontifice”, que antecede o início da escolha do 266º papa da história. Às 10 horas de Roma (6 horas em Brasília), teve início na Basílica de São Pedro a celebração na qual os cardeais oram e pedem a proteção divina antes de se enclausurarem.

Pelo caráter histórico, a missa também é muito concorrida pela gente comum e por turistas que estão em Roma especialmente para presenciar o anúncio da escolha do novo pontífice. Milhares de fiéis passaram horas na fila do lado de fora da basílica para acompanhar a cerimônia solene em latim, presidida pelo decano do colégio cardinalício, o cardeal italiano Angelo Sodano.

Twitter – Alguns cardeais que entraram no Vaticano nesta terça para o conclave utilizaram o Twitter para se despedir dos fiéis antes do isolamento. “Último tuíte antes do conclave: que nosso Pai ouça e responda com amor e misericórdia a todos as orações e sacrifício para um resultado frutífero. Deus nos abençoe!”, escreveu o sul-africano Wilfried Napier.

Antes de seguir para a residência na qual os 115 cardeais eleitores ficarão, o americano Roger Mahony escreveu: “Último tuíte antes de entrar na Casa Santa Marta e da missa para eleger um papa. Primeira reunião do conclave na terça-feira à tarde. Precisamos de orações”

Pierre Durieux, porta-voz do cardeal francês Philippe Barbarin, escreveu uma mensagem para informar que os três cardeais franceses haviam entrado no Vaticano: “Um grande silêncio”. Já a religiosa Mary Ann Walsh, porta-voz da conferência episcopal dos Estados Unidos, mostrou bom-humor em sua conta no microblog: “Nesta era digital, me preocupa que alguns cardeais possam ter síndrome de abstinência sem o iPad e o Twitter”.

As redes de comunicação estão bloqueadas na Capela Sistina para evitar qualquer tipo de interferência e todos os funcionários de serviço. Assim como os cardeais, eles juraram manter segredo sob pena de excomunhão.

Leia mais:

Contas do Vaticano movimentam último debate de cardeais

Cidade no interior do Paraná torce por papa brasileiro

(Com agência France-Presse)