Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Caso Madeleine: polícia interroga oito pessoas

Depois da primeira rodada de interrogatórios, dependendo do conteúdo dos depoimentos, outras pessoas podem ser convocadas pelos investigadores

Várias pessoas serão interrogadas pela polícia portuguesa em relação ao desaparecimento da menina britânica Madeleine McCann, informa nesta terça-feira a emissora BBC. Primeiramente, oito pessoas serão submetidas a partir de hoje aos interrogatórios dos agentes portugueses na presença de policiais britânicos. Os investigadores britânicos não poderão fazer perguntas, acrescenta a BBC.

Depois dessa primeira rodada de interrogatórios, dependendo do conteúdo dos depoimentos, outras pessoas podem ser convocadas para depor. Os oito depoentes terão de comparecer à delegacia do Algarve, sul de Portugal, cidade onde a menina desapareceu em 3 de maio de 2007 enquanto dormia com seus irmãos no quarto de um complexo turístico na Praia da Luz.

Leia também

Pais de Madeleine criticam policial que liderou buscas

Caso Madeleine: polícia encerra sem sucesso as buscas em Portugal

Caso Madeleine: Moradores do Algarve ofendem investigadores ingleses

No mês passado, agentes britânicos e portugueses investigaram vários lugares da Praia da Luz com a ajuda de cachorros e aparatos especiais, mas aparentemente não acharam provas relacionadas com o desaparecimento da garota. No ano passado, o programa Crimewatch, da BBC, que ajuda a resolver delitos, dedicou uma edição ao caso Madeleine, e apresentou fotografias de um possível suspeito, visto no lugar na noite que a menor desapareceu.

Madeleine desapareceu enquanto seus pais jantavam em um restaurante do resort em que estavam hospedados, na Praia da Luz. As autoridades portuguesas abandonaram o caso em 2008, mas a polícia britânica começou a revisá-lo em 2011 e no ano passado reabriu a investigação de forma oficial.

Leia mais

Sete anos depois do desaparecimento, mãe de Madeleine diz manter esperança

A decisão dos ingleses de iniciar sua própria investigação, à margem da polícia portuguesa, aconteceu depois de que o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, aceitou em 2012 um pedido dos McCann para revisar o caso.

(Com agencia EFE)