Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bombardeio destrói depósito de dinheiro do Estado Islâmico em Mossul

Duas bombas de duas toneladas destruíram "milhões" de dólares em espécie, segundo oficial do Pentágono

Um bombardeio da coalizão liderada pelos Estados Unidos no Iraque destruiu na segunda-feira um depósito de dinheiro usado pelos extremistas do Estado Islâmico (EI) na cidade de Mossul, segundo um oficial do Pentágono. Duas bombas de duas toneladas destruíram “milhões” de dólares em espécie, relatou o oficial, que pediu para ter sua identidade preservada. “Estimamos em milhões de dólares provenientes de todas as suas atividades ilícitas: petróleo, saques, extorsão”, afirmou a fonte. Segundo a rede CNN, os militares americanos estimam entre cinco e sete civis mortos no ataque.

A coalizão internacional que lançou uma ofensiva de bombardeios contra o EI no Iraque e na Síria reforçou seus ataques contra as fontes de financiamento do grupo, incluindo o bombardeio de cargueiros que transportam petróleo pela Síria. Sob críticas de que a campanha da coalizão é muito lenta, o Pentágono indicou que vai considerar uma gama mais ampla de alvos, mesmo causando a morte de civis – desde que, reforça o Pentágono, esses ataques representem vitórias significativas sobre o EI. Um oficial consultado pela AFP disse que a recente operação foi, “provavelmente”, a maior até a data. A estratégia da coalizão internacional contra o EI tinha como alvo, principalmente, a infraestrutura petroleira, principal fonte de financiamento dos extremistas. Segundo o Pentágono, a produção de petróleo do EI recuou cerca de 30%, passando de 45.000 barris diários para 34.000.

Leia mais:

Turquia anuncia que retirará suas tropas posicionadas no norte do Iraque

Grupo de caçadores, entre eles um príncipe, é sequestrado no Iraque

Terror em Bagdá – Jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI) mataram nesta segunda-feira 12 pessoas em um shopping de Bagdá e outras 20 pessoas em um café ao norte da capital iraquiana. O primeiro ataque, registrado esta tarde, teve como alvo um shopping center no bairro Al-Jadida, no leste da capital iraquiana, e deixou ao menos 12 mortos. “Um carro parou, dois homens armados desceram e começaram a atirar, matando as pessoas. Há muitos mortos”, contou Salman Hussein, testemunha ocular do ataque.

Segundo um funcionário do Ministério do Interior, homens armados detonaram um carro-bomba antes de abrir fogo na rua e entrar no prédio do shopping Zahrat Bagdad, um edifício de quatro a cinco andares localizado neste bairro comercial de maioria xiita. “Pelo menos um dos atacantes portava um cinto com explosivos e o detonou dentro do shopping”, declarou o funcionário.

Várias pessoas foram feitas reféns e três delas morreram quando as forças de segurança tentaram neutralizar os atacantes, segundo um coronel da polícia. A versão foi contestada pelo chefe do comando das operações em Bagdá, general Abdel Amir al-Chammari, que negou ter havido tomada de reféns.

Duplo atentado – Na cidade de Mouqdadiya, a nordeste de Bagdá, 20 pessoas morreram em ataque a um café, onde uma bomba foi detonada, seguida de um atentado suicida com carro-bomba, informaram um capitão da polícia e um coronel do exército. O atentado também foi reivindicado pelo EI, que identificou o suicida como Abu Abdallah, um iraquiano. Depois deste ataque, xiitas atearam fogo a casas pertencentes a sunitas e a uma mesquita.

(com AFP)