Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Best-seller da ex-primeira-dama francesa vai virar filme

A atriz que fará Valérie Trierweiler no cinema ainda não foi anunciada, mas certamente não será Julie Gayet, pivô da separação entre Hollande e sua ex

O best-seller da ex-primeira-dama da França, Valérie Trierweiler, ganhará uma adaptação para o cinema, anunciou nesta segunda-feira a revista Gala, especializada em celebridades. No livro “Merci pour ce moment” (Obrigada por esse momento, em tradução livre), Valérie critica o agora ex-marido e atual presidente francês, François Hollande, e conta como era sua vida no Palácio do Eliseu. Ela conta detalhes da história de amor vivida entre os dois e do fim da união, há um ano. A publicação bateu recorde de vendas na França, em 2014. A atriz e produtora Saida Jawad disse à Gala que “Valérie encarna a luta de uma mulher que grita sua verdade”.

Leia também

Ex-mulher de Hollande vai ficar milionária com livro de memórias

Hollande nega ofensa a pobres e acusa ex-mulher de mentir

‘Hollande não gosta de pobres, diz ex-mulher em livro

No livro, entre os mordazes relatos, Valérie garante que, apesar de se apresentar como um homem que não gosta dos ricos, seu ex, “na verdade, não quer saber dos pobres”. Segundo Valérie, Hollande costuma se referir aos pobres como os “desdentados”. O livro foi escrito no primeiro semestre do ano passado, praticamente em segredo. A imprensa francesa descreveu a obra como a “vingança de uma mulher ferida”. Valérie, de 49 anos, viveu com Hollande no palácio presidencial durante um ano e meio, até que, em janeiro, a revista Closer expôs o relacionamento secreto do presidente com a atriz Julie Gayet, de 42 anos. A separação foi anunciada duas semanas depois.

Em resposta, Hollande negou ter se referido aos pobres como “desdentados” e acusou Trierweiler de mentir. “Não aceitarei que se coloque em dúvida o compromisso de toda a minha vida, aquilo que fundou minha vida política. Não vou deixar que se coloque em dúvida a relação humana que eu tenho com os mais frágeis, os mais modestos, os mais humildes, os mais pobres. Eu estou a serviço deles. É minha razão de existir, simplesmente minha razão de existir”, disse.

(Com agência France-Presse)