Ataques em Paris: Alemanha prende sete suspeitos

Polícia alemã não forneceu informações sobre os detidos. Bélgica também participa das investigações sobre os atentados na capital francesa

Atualizado às 15h16

A polícia alemã prendeu nesta terça-feira sete suspeitos de estarem envolvidos com os ataques terroristas em Paris, que causaram 129 mortes em 13 de novembro. Eles foram detidos nas cidades de Alsdorf e Aachen, no Oeste do país e perto da fronteira com a Bélgica. As autoridades da Alemanha não forneceram detalhes sobre os indivíduos. Além disso, um porta-voz da polícia alemã disse à agência de notícias DPA que um terrorista que participou dos atentados e fugiu pode estar no país.

Quatro dias após os atentados à capital francesa, autoridades da Europa continuam as investigações para descobrir a identidade – e o paradeiro – dos suspeitos de envolvimento nos atos. A polícia da França disse nesta terça-feira que 16 pessoas que podem ter ligação com os atentados foram detidas em Paris e arredores desde domingo.

Até agora, as investigações indicaram que o belga de origem marroquina Abdelhamid Abaaoud, 27 anos, foi o responsável por planejar e financiar os ataques na capital francesa. O jihadista, que estaria atualmente na Síria, é uma das principais figuras do Estado Islâmico (EI) na Bélgica.

Foram identificados quatro dos sete homens-bomba que se explodiram em Paris: os franceses Omar Mostefai, Ibrahim Abdeslam e Samy Amimour; o belga Bilal Hadfi; e o sírio Ahmad Al Mohammad. Além disso, foi apontado um oitavo suspeito de ter atuado nos ataques e fugido para a Bélgica: Salah Abdeslam, 26 anos, nascido em Bruxelas e irmão de Ibrahim Abdeslam.

Leia também:

Governo e Parlamento suecos recebem ameaças de ataque

Obama exclui uso de tropas terrestres na luta contra Estado Islâmico

Em novo vídeo, EI ameaça atacar outros países

Após minuto de silêncio, França tenta recuperar a rotina

Após investigações feitas em Molenbeek, distrito de Bruxelas, dois homens de 21 anos foram detidos acusados de “assassinato terrorista e participação em atividades de uma organização terrorista”. Segundo o jornal belga La Libre, Hamza Attou e Mohamed Amri buscaram Salah em Paris na madrugada seguinte aos atentados e o levaram de volta para a Bélgica em um carro preto.

A polícia ainda encontrou nas casas desses dois homens nitrato de amônio, um composto químico que pode ser utilizado para a fabricação de explosivos. Os acusados dizem que não sabiam da participação de Salah nos ataques e que utilizam essa substância para fertilizar o jardim.

França – Nesta terça-feira, a polícia francesa encontrou um carro abandonado no 18º distrito de Paris. O veículo, com placa proveniente da Bélgica, teria sido alugado por Salah Abdeslam. Por isso, as autoridades passaram a investigar se os jihadistas haviam organizado um ataque também nessa área. Os atentados de sexta-feira ocorreram nos 10º e 11º distritos, além da região do Estádio da França.

Além de Salah, policiais franceses revelaram à agência Associated Press que estão procurando por um segundo suspeito de ter atuado nos ataques em Paris que teria fugido.

(Da redação)