Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ataques contra comboios na Síria ofuscam nova rodada de negociações de paz

Representantes da oposição e governo se reuniram separadamente com mediador

A segunda rodada de negociações de paz sobre a Síria começou nesta segunda-feira sob tensão. Representantes da oposição e do governo do ditador Bashar Assad recusaram-se a fazer uma reunião na mesma sala, em Genebra, na Suíça. O mediador da ONU nas negociações, o argelino Lakhdar Brahimi, acabou por fazer reuniões separadas com cada parte, ao contrário do que havia ocorrido na primeira rodada, em janeiro, quando os dois lados discutiram frente a frente.

A tensão ocorre após uma série de ataques contra comboios da Organização das Nações Unidas (ONU) no fim de semana. Veículos que transportavam ajuda humanitária e tentavam tirar civis sitiados na região de Homs, no oeste do país, foram alvo de tiros e bombas, mesmo com um cessar-fogo acordado entre os rebeldes e o regime. Os dois lados acusaram-se pelos ataques. A ONU diz que 2.500 pessoas estão retidas na cidade por um cerco militar desde meados de 2012. A área é dominada por rebeldes, mas está cercada pelo Exército sírio.

Leia também:

Depois de fugir da guerra, sírios enfrentam falta de comida e água

Oposição e governo também divergem sobre a pauta das negociações. Uma carta de Brahimi para os representantes dos dois lados no fim de semana dizia que a nova rodada tinha como objetivo tratar de temas como o fim da violência, a formação de um governo transitório e planos para instituições nacionais e reconciliação.

A oposição afirmou que um governo transitório deve excluir o ditador Bashar Assad, além de reclamar da violência empregada pelo regime sírio nos combates. Os representantes do governo, por sua vez, dizem que não irão discutir a saída de Assad.

Leia mais:

“Nada de substantivo”, diz mediador sobre negociações

“Não é aceitável que o regime envie a sua delegação às negociações de paz enquanto mata o seu próprio povo na Síria. Isso precisa parar”, disse Louay al-Safi, porta-voz da oposição.

Já o governo cobrou a condenação de uma ofensiva rebelde que teria matado 41 pessoas na cidade de Maan, na região central da Síria, no domingo. A população local é composta principalmente por alauítas, grupo étnico-religioso do ditador Assad.

A segunda rodada do diálogo ocorre depois das negociações de janeiro, as primeiras em quase três anos de guerra civil. O mediador da ONU planeja continuar os encontros separados em Genebra nos próximos dias na esperança de melhorar o clima das negociações, programadas para durar uma semana.

(Com agências Reuters e EFE)