Acidente de trem na Polônia deixa 16 mortos

Pelo menos 16 pessoas morreram, incluindo um cidadão americano, e 56 ficaram feridas na colisão de dois trens no sábado na zona de Szczekociny, no sul da Polônia, na maior tragédia ferroviária do país desde 1990.

“Posso confirmar 16 vítimas. Acabamos de retirar uma vítima dos escombros. Não podemos descartar outras vítimas até o fim das buscas das ferragens”, declarou Pawel Fratczak, porta-voz dos bombeiros.

O acidente ocorreu às 21H00 locais (17H00 Brasília), com um trem que seguia de Varsóvia para Cracóvia e outro que fazia a rota Przemysl-Varsóvia. Um funcionário da empresa ferroviária revelou que as duas composições seguiam pela mesma linha.

De acordo com a agência polonesa PAP, uma americana está entre os mortos. Cinquenta e seis pessoas permaneciam hospitalizadas, incluindo uma em condição crítica.

“Esta é a pior catástrofe em muitos anos”, comentou o primeiro-ministro Donald Tusk, que visitou o local do acidente.

O presidente polonês, Bronislaw Komorowski, visitou neste domingo as vítimas no hospital de Sosnowiev (sul), antes de viajar até o local do acidente. Ele anunciou que decretará um dia de luto nacional.

Entre os feridos estão ucranianos. Espanhóis e franceses estavam a bordo dos trens, mas aparentemente não ficaram feridos.

Segundo o serviço ferroviário polonês, 350 pessoas estavam nos dois trens no momento do choque.

O governo determinou a abertura de uma investigação para descobrir as causas do acidente.

A tragédia aconteceu em um trecho de ferrovia recentemente modernizado, segundo o ministro dos Transportes, Slawomir Nowak.

As imagens exibidas pelos canais de televisão poloneses mostravam duas composições e três vagões uns sobre os outros.

“Posso dizer que a etapa da operação que consistia em retirar os feridos terminou”, declarou Fratczak.

“Mobilizamos seis cães especializados na busca de pessoas vivas e também de corpos de vítimas fatais. Os cães não indicaram mais nada. Teremos 100% de certeza quando o local do acidente estiver liberado de todos os escombros, mas mantemos a fé de que o balanço do acidente não mudará”, completou.

No total, 450 bombeiros e 100 policiais trabalham nas tarefas de resgate.

“Escutamos um barulho ensurdecedor e saímos em disparada de nossos bancos”, declarou um sobrevivente do acidente à agência PAP.

“Havia pedaços de corpos nos vagões e do lado de fora”, completou.

“Era aterrorizador. O tamanho dos danos é considerável”, comentou um bombeiro.

Esta é a maior catástrofe ferroviária na Polônia desde 1990, quando 16 pessoas morreram no choque de dois trens em Ursus, perto de Varsóvia.

Em 1980, outra catástrofe ferroviária deixou 67 mortos e 62 feridos em Otoczyn, perto de Torun, norte do país, quando um trem com passageiros bateu em uma composição de mercadorias.