Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A Colômbia em seu labirinto

O acordo com as Farc reduziu sequestros, assassinatos e extorsões. Mesmo assim, os colombianos estão desanimados com o presidente que ganhou o Nobel

Em seu livro O General em seu labirinto, o romancista colombiano Gabriel García Márquez narra a trajetória do general Simón Bolívar que, tendo suas ambições políticas rejeitadas pelo povo da Colômbia, deixou o país rumo ao exílio até morrer no meio do caminho. “O resto era escuridão. Carajos… Como posso sair deste labirinto!”, exclama o personagem.

A amargura e a melancolia da narrativa lembram um pouco os dilemas enfrentados pelo atual presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos. Em dezembro do ano passado, ele recebeu em Oslo, na Noruega, o Nobel da Paz. Sua façanha foi conseguir um acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), narcoguerrilha que inferniza o país há décadas.

Na semana passada, seus integrantes entregaram 7132 armas para uma missão da ONU. Mas os colombianos receberam a notícia com desânimo. Santos, que comandou a cerimônia com o líder das FARC Rodrigo Londoño e estampou as capas de jornais, é aprovado por cerca de um quarto da população.

Matéria nesta edição de VEJA explica os vários motivos por que o acordo com a paz, que reduziu o número de sequestros, homicídios e extorsões, não ajudou a popularidade do presidente Juan Manuel Santos.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.