Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Guga 20 Anos: uma estreia avassaladora

O tenista checo, que havia derrotado Guga nos últimos dois confrontos, não foi páreo para o tênis agressivo e preciso apresentado pelo brasileiro

A estreia de Guga em Roland Garros foi contra o checo Slava Dosedel, um jogador que o catarinense conhecia bem – e não apreciava muito. O europeu havia derrotado o brasileiro duas vezes naquela temporada, mas um primeiro set avassalador abriu o caminho para a vitória de Guga por 3 a 0 (com direito a um pneu no primeiro set), um início bem a caráter para dar a ele a confiança necessária para assombrar o mundo nas rodadas seguintes.

Os detalhes do jogo na voz de Larri Passos



O jogo – Quando Guga e seu pequeno estafe – na verdade, apenas o técnico Larri Passos e Rafael Kuerten, seu irmão – souberam o resultado do sorteio da chave de Roland Garros, todos franziram a testa. Mesmo sem ser um jogador brilhante, o checo Slava Dosedel era osso duro de roer e havia vencido o catarinense duas vezes naquele ano, em Indian Wells e em Monte Carlo.

Veja também

Nos confrontos anteriores, Guga teve muita dificuldade para impor seu jogo diante de um tenista pouco convencional, que era especialista em usar os pontos fortes do adversário a seu favor, por estranho que pareça. Mas, naquele 26 de maio de 1997, tudo foi diferente.

Logo no primeiro set, o brasileiro mostrou que ali a história seria outra e atropelou Dosedel: 6 a 0. Até seu irmão ficou boquiaberto. “O Dosedel jogava em cima da linha de fundo e tinha uma bola bem reta, o Guga não gostava de jogar contra ele”, recorda Rafael. “Fiquei abismado quando ele meteu 6 a 0. Semanas antes, ele e o Larri tinham voltado da Europa dizendo que o Guga não estava bem, aí ele mete 6 a 0 no Dosedel! E ele não estava bem?”

Mais tarde, Larri revelou que aquele primeiro set foi fundamental para a conquista do título, um ponto de partida espetacular que deixou Guga bem mais confiante. Nos sets seguintes, Dosedel se recuperou do massacre e até endureceu a partida, mas o brasileiro soube controlar o jogo e fechá-lo em 3 a 0.

Com a palavra, o campeão

O tcheco tinha um estilo enganoso. De início, parecia que o cara não jogava nada. Vira e mexe, errava umas bolas simples. Mas aí, aos poucos, se esgueirando, na maciota, ele vinha vindo, colocava bem aqui, ia manejando ali, cortando os espaços, e aí, do nada, começava a dar umas paralelas de esquerda de cinema. Fora com essa artimanha que ele tinha me anulado nas duas vezes. Sem saber direito como contornar isso, eu estava incomodado com a ideia de virar freguês.

Já no final do primeiro set, ficou evidente que havia algo de diferente no meu jogo. Olhei para Larri, ele olhou para mim e nenhum dos dois entendia nada. Perguntei para ele: “O que está acontecendo?”. Larri apenas sorriu. Dosedel era o mais perplexo de todos. Estava escrito na cara dele: “Quem é esse cara? É impossível que seja a pessoa de quem acabei de ganhar em Monte Carlo.” Com o mesmo tênis fabuloso dos treinos iluminados, no que deve ter sido o set mais brilhante da minha vida até então, dei um espetáculo formidável. Fiz 6/0 em menos de 20 minutos. O que era aquilo? Eu tinha virado um mestre da Matrix, acessando de uma hora para outra um nível de excelência desconhecido no meu tênis?

Trecho extraído da autobiografia Guga – Um Brasileiro (Sextante)

Que fim levou? – Slava Dosedel tinha dois títulos quando enfrentou Guga em Roland Garros, nos ATPs de Santiago (em 1995) e Munique (1996). Poucos meses depois do torneio francês, ele ganhou mais um, seu último, em Amsterdã. Em Grand Slams, o melhor resultado do checo foi obtido no Aberto dos Estados Unidos de 1999, em que chegou às quartas de final. Dosedel abandonou a carreira em 2001 e depois voltou ao circuito como treinador, tendo trabalhado com o compatriota Lukas Rosol.