Djokovic é vice em Roma e anuncia Agassi como novo técnico

Após derrota para a revelação da temporada, tenista número 2 do mundo anunciou que trabalhará com a lenda do esporte em sua preparação para Roland Garros

O alemão Alexander Zverev mostrou neste domingo por que é considerado uma das maiores promessas do tênis mundial. Na decisão do Masters 1000 de Roma, ele surpreendeu e passou com facilidade por ninguém menos que o sérvio Novak Djokovic, número 2 do mundo, por 2 sets a 0, com parciais de 6/4 e 6/3. Assim, o tenista de 20 anos levantou o troféu da competição. Trata-se do primeiro título de Masters 1000 da carreira de Zverev, que levantou o quarto troféu da carreira. O alemão é o mais jovem a conquistar um torneio deste porte desde o próprio Djokovic, campeão em Miami com 19 anos há uma década.

Como era de se esperar, o segundo cabeça de chave da competição entrou em quadra com todo o favoritismo. Ainda mais depois de ter atropelado em menos de uma hora o austríaco Dominic Thiem, algoz de Rafael Nadal, nas semifinais, com parciais de 6/1 e 6/0. Mas o que se viu em quadra ficou longe da lógica. Parecia que Zverev era o veterano e multicampeão, porque o alemão controlou a partida do início ao fim. Ao longo de 1h21min de partida, o tenista pressionou Djokovic e confirmou três das cinco oportunidades de quebra que teve para faturar o título.

A superioridade de Zverev foi tanta que o alemão sequer cedeu oportunidades de quebra a Djokovic. Em 95 finais disputadas na carreira, esta foi somente a terceira vez que o sérvio terminou sem sequer um break point a seu favor. Com um desempenho tão dominante, Zverev se tornou apenas o primeiro tenista nascido nos anos 90 a faturar um título de Masters 1000. Ele também quebrou uma hegemonia dos grandes Roger Federer, Rafael Nadal, Andy Murray e Djokovic, que haviam vencido 24 dos 25 Masters 1000 anteriores.

Este é o terceiro troféu conquistado por Zverev nesta temporada. Com o resultado, o alemão aparecerá no Top 10 pela primeira vez na carreira, na décima colocação, quando o ranking da ATP for atualizado na segunda-feira. Por outro lado, Djokovic teve que aceitar mais uma decepção em uma temporada que está longe de seus padrões. Esta foi a quarta derrota em oito finais em Roma para o sérvio, que conquistou somente um título até o momento em 2017.

Agassi como seu novo treinador – Sem um técnico desde o início de maio, quando rompeu o trabalho de longa data com o compatriota Marian Vajda, Djokovic chamou a atenção do universo tenístico ao anunciar o americano Andre Agassi como seu novo treinador. “Estou conversando com Andre há duas semanas por telefone e decidimos trabalhar juntos em Paris. Depois veremos o que vai acontecer no futuro. Nós dois temos vontade de trabalhar juntos e ver onde isso pode nos levar”, declarou o vice-líder do ranking mundial.

Com Agassi, Djokovic opta por trabalhar com um dos maiores nomes do tênis no passado. O ex-tenista americano conquistou 60 torneios do circuito ATP, entre eles oito taças de Grand Slam. “Andre é alguém que tenho muito respeito, como homem e jogador. Ele viveu o que eu

vivo. Entende o esporte de um jeito incrível e eu aproveito todas nossas conversas”, declarou o sérvio neste domingo. “É um cara que cultiva os valores familiares e filantrópicos. É muito humilde e pode acrescentar muito na minha vida, dentro e fora das quadras”, acrescentou Djokovic.

(Com Estadão Conteúdo)