Cícero atribui gol de cintura a Leão: ‘Sempre me pede para atacar’

Willian José, substituto de Luis Fabiano e autor de nove gols neste Campeonato Paulista, perdeu uma chance com o gol vazio à frente. Coube, então, a Cícero balançar as redes desviando com a cintura um cruzamento de Osvaldo para garantir a vitória por 1 a 0 sobre o XV de Piracicaba. E agradeceu a Emerson Leão.

‘O professor sempre pede para entrar na área em chute cruzado. Já tinha feito isso contra o Palmeiras’, falou o meia, dono de cinco gols na temporada, um deles também completando cruzamento rasteiro, mas de Casemiro, no empate com o Palmeiras no último domingo.

Desta vez, ele teve liberdade para ir à frente mesmo atuando mais recuado – o meia de origem teve que se adaptar à posição mais defensiva porque Rodrigo Caio era o único volante à disposição. Por isso, enalteceu o comandante ao deixar o gramado como herói em Piracicaba

‘Todos sabem que jogo onde for preciso. Hoje , atuei mais recuado. Assim, tenho que vir mais de trás, tentando ajudar a defesa, sem se lançar tanto à frente. Mesmo assim, o Leão pediu para chegar quando desse’, comemorou o jogador, que já chegou a se irritar em entrevista coletiva na época de Adilson Batista ao pedir para ser escalado como terceiro homem de meio-campo.

O salvador do Tricolor neste fim de semana admitiu que não teve tempo para ajeitar o corpo e só viu a bola bater nele antes de encontrar as redes. ‘Vi só um pouquinho a bola, mas já estava em cima, foi muito rápido. Bateu na coxa, ou na cintura, não sei dizer. Sei que entrou onde tinha que entrar. Só tinha espaço ali’, apontou. ‘Treinamos muitos chutes, cabeceios. No primeiro tempo, tive chance em uma cabeçada. No segundo, em um chute. Na terceira, de coxa ou cintura, entrou’, sorriu.

O criador da jogada que não recebeu muitos elogios. Osvaldo entrou no segundo tempo e iniciou sequência de dribles até a linha de fundo antes de cruzar para Cícero. ‘O Osvaldo entrou bem. É um driblador e fez o que pedi’, limitou-se a dizer Leão.