‘Sol Nascente’ deixa orientais ‘perdidos na multidão’, diz atriz

Cristina Sano, do grupo Oriente-se, critica escalação de Luís Melo para viver personagem japonês na nova novela das 6 da Globo

A nova novela das 6 da Globo, Sol Nascente, estreou nesta segunda-feira já envolvida em uma controvérsia: o fato de um dos protagonistas da trama, Kazuo Tanaka, ser vivido por Luís Melo, ator filho de uma índia com um italiano. A emissora, criticada pelo que vem sendo chamado de “yellowface”, em referência ao blackface, a antiga prática de se pintar o rosto de atores brancos escalados para viver personagens negros, logo tratou de explicar que Tanaka, na verdade, é mestiço, neto de um americano com uma japonesa. Mas a desculpa não colou. “Não nos sentimos representados”, diz ao site de VEJA Cristina Sano, atriz e uma das representantes do Oriente-se, grupo de atores profissionais brasileiros com ascendência oriental.

LEIA TAMBÉM:
‘Foi decisão empresarial’, diz ator sobre ‘yellowface’ da Globo
Da roça ao book rosa: a versatilidade de Walcyr Carrasco
Walther Negrão sofre AVC a poucos meses da estreia de nova novela
Giovanna Antonelli posta foto com dublê da próxima novela – um homem

Em seu primeiro capítulo, o folhetim de Walther Negrão apresentou seus principais personagens. Tanaka conheceu seu grande amigo, o italiano Gaetano (Francisco Cuoco), quando eles chegaram ao país, mais de cinquenta anos atrás. Gaetano viajou já junto com Geppina (Aracy Balabanian), com quem ele formou uma família por aqui, enquanto Tanaka se apaixonou por uma brasileira, que já tinha uma filha de um relacionamento anterior, Alice (Giovanna Antonelli). A mulher de Tanaka morreu pouco depois e ele criou Alice como sua filha.

Segundo Cristina, a questão que está em xeque não é o talento de Luís Melo para viver o personagem – mas suas origens, mesmo. “Ele é extremamente talentoso. Mas não é descendente de japoneses”, diz. Para a atriz, é preocupante que esse tipo de escalação ainda esteja acontecendo. “Em 2016, você ser conivente com isso equivale a você ser conivente com o blackface. Estamos no meio de uma enorme discussão sobre representatividade e isso acontece. A equipe da novela responsável pela escalação pisou no tomate.”

Japoneses ao fundo

As duas famílias, de Gaetano e de Tanaka, são muito unidas. Tanto que a grande história de amor da novela deve ser a de Alice com Mario (Bruno Gagliasso), neto de Gaetano e Geppina. Muito amigos desde criança, os dois vão perceber que sentem algo diferente um pelo outro no decorrer da trama. Nesta estreia, Mario já ficou abalado ao descobrir que a amiga vai ficar dois anos fora, estudando no Japão.

O capítulo focou esses personagens – nenhum deles interpretado por um ator oriental. Aqueles que, de fato, são vividos por atores de ascendência oriental, ficaram apagados, como a família de Mieko (Miwa Yanagizawa), irmã de Tanaka que vem do Japão para o Brasil após ficar viúva. Ela tem três filhos: Hirô (Carol Nakamura), Yumi (Jacqueline Sato) e Hideo (Paulo Chun). Nenhum deles teve uma fala que durasse mais de dois segundos. “Os japoneses de verdade ficaram lá perdidos na multidão. Ninguém falou nada”, diz Cristina Sano.

Redes sociais

Na internet, o público ficou dividido. Enquanto alguns abraçaram a história e deixaram de lado a escalação, outros criticaram a escolha de Luís Melo para o papel de Tanaka. O momento mais problemático foi no flashback, quando o personagem conhece Gaetano e Geppina ao chegar ao Brasil. Cinquenta anos mais jovem, ele era também “mais japonês”, já que nessa sequência Tanaka foi vivido por Daniel Uemura.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. André Felix

    Lamentável! Simplesmente um preconceito racial escancarado! E isso já é antigo e habitual no Brasil. Japoneses aparecem quase sempre caricatos falando “japon, né?” Isso quando não os colocam como figurantes em bancas de pasteis nas feiras. Ou na última propaganda do Melhoral com um idoso japonês falando “Melhoral, né ?” Depois de décadas é raro encontrar um descendente de japoneses falando com sotaque. Mas nem os coreanos com imigração mais recente são tão coreanos assim! De qualquer maneira uma novela com descendentes de japoneses em núcleo central da trama jamais poderia ter como ator principal com brasileiro nipônico de araque. Isso chega a ser um insulto! Ainda bem que os japoneses não depende desse ramo para sobreviver. São bem sucedidos em outras áreas mais produtivas e importantes para o Brasil.

    Curtir

  2. Tatiana Dallalibera

    Faz muito tempo que eu digo que as outras origens são ignoradas nas novelas e outros programas! Os afrodescendentes aparecem! Mas e todo o restante de descendentes! Não existem bonecas japonesa,chinesa,árabe,etc…
    Será que não existem atores dessas origens?

    Curtir

  3. teste

    Curtir

  4. Depois do Japão, o Brasil é o País onde mais tem japoneses e descendentes… Luís Mello não nos representa… Apertar os olhos não faz dele um oriental, por melhor ator que seja… É como querer pintar um negro de branco, onde está a representatividade dos asiáticos no Brasil??? Meus avós, assim como outros ajudaram a construir esse país, pra Rede Globo fazer agora essa vergonha

    Curtir