Série de Sorrentino apresenta um papa jovem – e conservador

Em 'The Young Pope', Jude Law interpreta o fictício Pio XIII

Na série The Young Pope, coube ao Jude Law o papel do primeiro papa americano da história. Lenny Belardo assume o nome Pio XIII e parte para fazer uma revolução na Igreja Católica. Uma revolução, no caso, retrógrada: retorna à missa em latim e defende os dogmas com crescente rigidez. Tão draconianas são suas exigências sobre os fiéis, que a igreja acaba se esvaziando, o que muito alarma os cardeais – tanto conservadores quanto liberais – que o cercam. O personagem é fictício, claro: tudo criação de Paolo Sorrentino, diretor do muito elogiado A Grande Beleza. A série retrata os bastidores políticos do Vaticano, mas sua ênfase é outra: a beleza de The Young Pope está na inquietudes espirituais de seu protagonista, o sempre difícil e contraditório Pio XIII. The Young Pope é tema do texto que abre a seção de Cultura desta VEJA.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.