Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Regina Casé constrange deficientes físicos no ar

Apresentadora pede para plateia de pessoas com mobilidade restrita levantar a mão, antes de emendar "Quem puder levantar a mão, né?"

Regina Casé se colocou numa saia-justa na estreia da terceira temporada do Esquenta, neste domingo. Na plateia, a apresentadora recebeu deficientes físicos tratados pela Rede Sarah Kubitschek. Era um programa temático sobre inclusão social, assunto, inclusive, de entrevista concedida pela presidente Dilma Rousseff à apresentadora. Ao pedir para a plateia ecoar o grito de “Xô preconceito”, Regina Casé, empolgada, convidou todos a levantar a mão e, logo depois, soltou o comentário constrangedor: “Quem puder levantar a mão, né?”

O programa é gravado. Manter a gafe na edição foi, portanto, uma decisão da direção – talvez uma tentativa de referendar o clima de espontaniedade do Esquenta. Não funcionou.

Antes disso, o Esquenta abordou as dificuldades vividas pelos deficientes físicos em entrevista com o músico Herbert Vianna, vocalista da banda Paralamas do Sucesso, que ficou paraplégico após acidente. A apresentadora também chamou ao palco uma anã paramentada como rainha de escola de samba. “Não gosto de ser chamada de anã, prefiro baixinha”, disse a convidada antes de sambar.

O tema também foi discutido pela presidente Dilma, que escolheu a unidade Sarah-Lago Norte do Centro Internacional de Neurociências e Reabilitação da Rede Sarah como cenário da conversa com Regina Casé.

Vaia – Nesta mesma semana, Dilma também cometeu uma gafe com os deficientes. Na terça-feira, quando fazia um discurso na abertura da Conferência Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência, em Brasília, a presidente usou a expressão “portadores de deficiências”, considerada pejorativa, e recebeu uma vaia do público.

Rapidamente a presidente se retratou: “Desculpa, eu quis dizer ‘pessoas com deficiência’. Eu entendo que vocês tenham esse problema. Portador não é muito humano, né? Pessoa é”. Esclarecido o equívoco, voltou a ser aplaudida pelos presentes.