Patrocinadores deixam montagem de Shakespeare ‘com Trump’

Adaptação da peça Júlio César', sobre o romano, tem protagonista semelhante ao magnata

A semelhança entre um empresário loiro, protagonista da peça Julio César, de Shakespeare, e o presidente Donald Trump, representada ao ar livre no Central Park, desatou nova controvérsia sobre a liberdade de expressão e censura nos Estados Unidos. Depois de protestos enfurecidos da Fox News, vinculada aos conservadores americanos, e do filho mais velho do presidente americano, Donald Trump Jr., nas redes sociais, a Delta Airlines e o Bank of America, duas grandes empresas que patrocinavam o Public Theater e o festival “Shakespeare no parque”, do diretor Oskar Eutis, retiraram apoio ao evento.

Veja também

A Fox News noticiou no domingo que a peça parecia representar o presidente americano — que é muito impopular em Nova York — “sendo brutalmente esfaqueado até a morte por mulheres e minorias”. Julio César veste na obra a roupa típica de Trump — calças e paletó escuros, camisa branca e gravata vermelha. Sua esposa na obra tem sotaque eslavo, como Melania Trump. “Sua representação como um César petulante de terno azul, com banheira de ouro, e uma esposa eslava que faz caretas eleva, os ataques a Trump no palco a um outro nível surpreendente”, escreveu o jornal The New York Times na sexta-feira passada, fazendo coro às impressões da Fox News.  Em um tuíte, Donald Trump Jr. questionou o financiamento da montagem.

Em comunicado, a Delta afirma que a “gráfica” representação da nova montagem, em que o protagonista é esfaqueado por mulheres e outras minorias, “não reflete os valores” da empresa. “Sua direção artística e criativa ultrapassou a linha do bom gosto”, diz o texto. Para o Bank of America, a obra pretendia “provocar e ofender”. “Se tivessem nos comunicado esta intenção, teríamos decidido não patrociná-la”, declarou o banco.

Já a American Express, que também patrocina o teatro, emitiu um comunicado na qual esclarece que não deu dinheiro para esta produção.  Em contraponto, um movimento surgiu nas redes sociais para levantar fundos para o Public Theater.

O texto original de Shakespeare data de 1599, mas, pelo visto, ainda pode provocar o público.

Saco de pancadas

A polêmica recorda o episódio, do fim de maio, quando a comediante Kathy Griffin divulgou um vídeo em que levanta uma falsa cabeça de Trump decapitada. Apesar de pedir desculpas por, segundo disse, ultrapassar um limite ético, a humorista foi dispensada pela rede CNN, onde conduzia a cada ano a transmissão de Ano Novo.

O teatro defendeu-se, afirmando que “de nenhuma maneira defende a violência contra ninguém”. “A obra de Shakespeare e nossa produção têm o argumento contrário: aqueles que tentarem defender a democracia por meios não democráticos pagam um preço terrível e destroem a mesma coisa que estão lutando para salvar”, afirmou.

O teatro admitiu que a representação gerou “discussões acaloradas”, mas insiste em que “esta discussão é exatamente a meta do nosso teatro comprometido civilizadamente, este discurso é a base de uma democracia sadia”.

Shakespeare contemporâneo

A obra de Shakespeare, que se passa no ano 44 a.C., “nunca foi tão contemporânea”, destacou o Public Theater em seu site. Julio César possui “uma personalidade magnética, irreverente” e está “obcecado pelo poder absoluto”, explica. “As instituições com as quais crescemos, que herdamos da luta de muitas gerações, podem se esvair a qualquer momento”, alerta o diretor, Oskar Eutis.

O democrata Scott Stringer, auditor das contas da cidade de Nova York, um cargo eletivo, também entrou na discussão. Stringer tuitou as cartas escritas aos presidentes da Delta Airlines e do Bank of America, com a mensagem “Que erro. Na verdade, Julio César ajudaria no futuro”. “Sua decisão de restringir efetivamente a expressão do que é uma obra literária eterna (…) envia uma mensagem equivocada. Como muitos nova-iorquinos e americanos, não acho que retirar vosso patrocínio seja o correto”.

Chelsea, filha da rival democrata derrotada por Trump, Hillary Clinton, e do ex-presidente Bill Clinton, também deu sua opinião. “Iria vê-la? Provavelmente, não. Protestaria ou me queixaria disso? Definitivamente, não”, respondeu a um internauta que lhe perguntou o que faria se Julio César fosse representado como seu pai ou sua mãe, e eles fossem assassinados.

A peça é representada em Nova York desde 23 de maio e continuará em cartaz até 18 de junho.

(Com agência France-Persse)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Eleonora Saramago

    AINDA TÁ DOENDO A DERROTA
    TRUMP FOI GROSSO SEM JEITO E FOI FUNDO DEMAIS
    NÃO HÁ ESQUERDISTA QUE AGUENTE
    KKKKKKK

    Curtir

  2. Jorge Costa Rêgo

    Se fizessem um pornozinho sobre um presidente quarentão fazendo safadezas na sala oval da Casa Branca com uma estagiária. A Chelsea assistia?

    Curtir

  3. Guilherme Silva

    Por que alguém exibiria uma peça onde Julio César fosse representado como Webb Hubbell ou Hillary Clinton?

    Curtir