Músico cubano Ernesto ‘Tito’ Puentes morre na França aos 88 anos

Músico era conhecido por sua maneira de fundir o jazz e a salsa dando-lhes um estilo pessoal que manifestaria em seus mais de 200 álbuns

O músico, diretor de orquestra e trompetista cubano Ernesto “Tito” Puentes morreu na manhã desta quinta-feira aos 88 anos em Montpellier, no sudeste da França, informou seu agente aos meios de comunicação franceses. “O mais parisiense dos cubanos foi se reunir com os demais salseiros para uma eterna festa”, disse Jean-Louis Perrier em um comunicado retomado pela emissora France Info.

Puentes (Havana, 7 de novembro de 1928) era conhecido na Europa e na América Latina por sua maneira de fundir o jazz e a salsa dando-lhes um estilo pessoal que manifestaria em seus mais de 200 álbuns. O trompetista deixou seu país natal no início dos anos 1950 para fazer uma excursão de um ano pela Europa e Oriente Médio, mas se instalou na França, onde viveu até o dia da sua morte, após o organizador da viagem deixar os músicos desamparados.

“Quando fazia jazz, meus compatriotas me diziam que já não era cubano, senão um homem do jazz”, comentava o próprio trompetista. “Eu lhes digo que sou músico, tento integrar nas minhas músicas influências europeias e africanas”, afirmava Puentes, que caracterizava sua música como “plural”, ressalta o jornal Le Monde em seu site.

Ao longo da carreira, Puentes acompanhou outros músicos e cantores de renome como Michel Delpech, Sylvie Vartan, Claude François, Nino Ferrer, Joe Dassin e Eddy Mitchell. Seis décadas depois de chegar a Paris, Puentes afirmou que a França tinha se tornado seu país de adoção, e em 2012 decidiu percorrer o país em uma última turnê de agradecimento para divulgar o seu álbum Gracias.

O seu último concerto foi em julho de 2015, como convidado do festival “Tempo Latino” de Vic-Fezensac, no sul da França.

(Com agência EFE)